Publicado em: 20/12/2014

Da Toscana

 

No final dos anos sessenta John Carlo Sacchet e Antonio Mario Zaccheo fundaram a vinícola Carpineto com o objetivo de produzir um Chianti Clássico de qualidade internacional.. Isso representou, na época, uma verdadeira revolução no Chianti, que até então tinha sido muito tradicional. Acreditaram que  que a Toscana era um potencial inexplorado para produzir verdadeiramente grandes vinhos e, em seguida, aplicar as técnicas adequadas na vinha e na adega poderia níveis de qualidade bem acima dos padrões da época.   A linha de produtos inclui vinhos da mais prestigiada DOCG até vinhos varietais de grande estrutura. Estes vinhos são exportados para 70 países do mundo. Cerca de 95% da produção é composto por vinhos tintos, e a maior parte deste é feita de vinhos, que são envelhecidos três anos ou mais, antes de serem colocados no mercado.

Os dois vinhos degustados integram a seleção  de dezembro do Clube W Classic (R$ 110,00).

Carpineto Dogajolo Toscano Rosso IGT 2012 – elaborado com Sangiovese (70%), Cabernet e outras variedades (30%).  Amadurecimento de 6 meses em barricas de carvalho. Teor alcoólico de 12,5%. A coloração é de um rubi brilhante com reflexos violáceos. Os aromas mostram  ameixa, framboesa, cereja, baunilha, café,  castanha e especiarias. Na boca apresenta  típicas características de um toscano,  com corpo médio, frutas, ótimo frescor e taninos firmes. Bom final com o frutado se mostrando. Avaliação: 87/100 Pontos.

Carpineto Chianti Classico 2012 – elaborado com Sangiovese (80%),  Canaiolo e outras variedades (20%). Amadurecimento de  6 meses em barricas de carvalho, em seguida,  armazenamento em recipientes de aço ou cimento de vidro, antes do engarrafamento. Teor Alcoólico de 13%.  A coloração é de um intenso rubi com halos púrpura e muito brilho. A coloração mostra cereja, framboesa, amora, toques florais, algo balsâmico, baunilha e café. Na boca apresenta um corpo médio, repetindo as sensações do olfato e taninos suaves bem integrados. Bom final com fruta  e floral. Avaliação: 88/100 Pontos.

 

 

Publicado em: 19/12/2014

Da Wines of Portugal

 

Da Wines of Portugal recebemos a mensagem que compartilhamos

Publicado em: 19/12/2014

Da Revista Adega

 

Da Revista Adega recebemos a mensagem que compartilhamos

Publicado em: 19/12/2014

Finca Las Moras Dada Art Wine “3? Cabernet Sauvignon-Syrah 2012

 

Finca Las Moras foi a  primeira vinícola a produzir vinhos na   região de San Juan, desde a reconversão dos vinhedos em 1993, pelo famoso viticultor, Dr. Richard Smart. O experiente enólogo Eduardo Casademont e sua equipe são os responsáveis pelos vinhos produzidos dentro do conceito de “harmonia viva”, respeitando com práticas sustentáveis e orgânicas o meio-ambiente e as pessoas, nos três principais vales da região: Tulum, Zonda e Pedernal.

Finca Las Moras Dada Art Wine “3″ Cabernet Sauvignon-Syrah 2012 – elaborado com Cabernet Sauvignon e Syrah (porcentagens não indicadas), com amadurecimento de  6meses em carvalho. Teor Alcóolico de 13,5%. A coloração é de um rubi intenso, profundo, com reflexos púrpura. Os aromas mostram ameixa, cereja, coco e café torrado sobre uma ponta de especiarias(canela). Na boca apresenta taninos macios, redondos, razoavelmente concentrado, marcado por notas tostadas), leve adocicado, com final de média persistência  e bem frutado. Avaliação: 88/100 Pontos. Observação:  A linha de vinhos  é inspirada no Dadaísmo (ou simplesmente Dada), um movimento artístico e cultural do início do século XX que foi baseada em convenções estabelecidas desafiadoras.Uma nova linha de vinhos sensoriais para surpreender seus sentidos com notas de baunilha, mocha e especiarias. Essse é o “3”, da linha. Foi oferecido pelo Osvaldir Filho pra aquecimento na degustação do Clube dos Amigos do Vinho.

 

 

Publicado em: 19/12/2014

Mauricio Lorca Opalo Malbec 2010

 

Mauricio Lorca é um dos mais respeitados enólogos da Argentina. Ainda muito jovem, aos 21 anos, iniciou carreira na Bodega Esmeralda, do Grupo Catena Zapata. Depois seguiu pra Michel Torino, Luigi Bosca e Finca La Celia, até partir para vôo próprio, na Bodega y Viñedos Mauricio Lorca.A pouco mais de 100 km,numa fazenda secular , em Vista Flores, no Vale do Uco, a 1.020 metros acima do nível do mar e aos pés da Cordilheira dos Andes, instalou 29 hectares de vinhedos, em 1999. Cultiva as cepas Sauvignon Blanc, Viognier, Malbec, Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc, Syrah e Petit Verdot, colhidas manualmente. Lorca desenvolve projetos personalizados. Foi o que ocorreu com o Chicleteiro, um bom Malbec feito para a banda baiana Chiclete com Banana a pedido da Ana Marques, mulher do Bel e dona da maior importadora de vinhos para o Nordeste, a Ana Import. Esse projeto já está extinto.

Mauricio Lorca Opalo Malbec 2010 -  elaborado com 100% ca cepa, sem passagem por madeira. Estágio de nove meses em tanque de concreto. Teor Alcoólico de 14,5%. A coloração é de um vermelho púrpura muito brilhante. Os aromas mostram framboesa, cereja, amora, toques picantes, florais e mentolados. Na boca apresenta um corpo médio, com taninos macios, repetindo as sensações do olfato, com destaque para o toque mentolado, que permanece em meio ao frutado no longo e agradável final. Avaliação: 88/100 Pontos. Oferecido, pelo Marco Antonio, como aquecimento na degustação do Clube dos Amigos do Vinho.

 

 

Publicado em: 19/12/2014

Vinhos degustados no Clube dos Amigos do Vinho

 

 

Vamos aos vinhos degustados na última reunião da confraria Clube dos Amigos do Vinho, fechando 2014.

Pera Manca Tinto 2010 – elaborado com 70% Aragonez e 30%  Trincadeira, de vinhas mais velhas, de 25 anos, de talhões selecionados, em anos nos quais a maturação ocorre suavemente. Amadureceu em tonéis de carvalho francês, com mais de 50 anos e capacidade de 3.000 litros, por 18 meses e permaneceu por mais oito meses nas caves subterrâneas do Convento da Cartuxa, em Évora. Teor Alcoólico de 14,5%. A coloração é de um granada intenso, com muito brilho e média transparência. Os aromas mostram-se  intensos, com frutas vermelhas, pimenta rosa, ameixa seca, chocolate  e toque mineral. Na boca as sensações do olfato se intensificam, em meio a taninos suaves e bem equilibrados com a acidez e o álcool. Longo final com notas de chocolate. Avaliação: 94/100 Pontos. Preço: R$ 649,00, no Ary Delicatessen. Obteve 91 Pontos de Parker.

Château Pape Clement 2010 – elaborado com 51% Merlot, 47,5%  Cabernet Sauvignon, e 1,5% Petit Verdot. Amadurecimento de 20 meses em barricas de carvalho francês. Teor Alcoólico de 14,5%. A coloração é de um rubi intenso e profundo, com muito brilho. Os aromas mostram muita complexidade, com frutas vermelhas e negras (cereja, mírtilo, cassis, amora, groselha) , fumados, traços balsâmicos e de mineralidade. Na boca apresenta um bom corpo, com taninos suaves, em meio ao complexo que repete as sensações do olfato. Um vinho com muito equilíbrio e elegância, que vai evoluir muito nos próximos anos. Longo final com destaque ao frutado e ao toque mineral. Avaliação: 98/100 Pontos. Preço: R$ 1.499,00, na FineWines. Para Parker, que lhe atribuiu 100 Pontos, “é um vinho rico, vaporoso, mas elegante, e o excelente terroir  do Pape Clement veio com abundância

Casajus NIC 2009 – elaborado com 100% Tempranillo, de um único 1,5 enredo hectare que rendeu menos de 2500 kg por hectare. Amadurecimento de 24 meses em carvalho francês. Teor Alcoólico de 14,5%. A coloração é de um rubi intenso e escuro com reflexos cereja e  muito brilho. Os aromas mostram boa complexidade, com framboesa, morangos, figo pacificado, licor de cassis, especiarias  e ligeiro tostado, com  toque amadeirado. Na boca apresenta bom corpo, muito equilíbrio, com taninos potentes, acidez pontual, leve adstringência e um interessante toque mineral. Longo final com o frutado e a mineralidade em destaque. Avaliação: 95/100 Pontos. Preço: R$ 463,00, na FineWines. O nome NIC é a abreviação de Nicolas e Catalina, filhos do proprietario. Obteve 97 Pontos de Parker.

Polkura Syrah G+1 2007 – elaborado com 98% Syrah e 2% Viognier das parcelas G e I do vinhedo. Amadurerceu em barricas francesas (65% novas} durante 20 meses, permanecendo mais 6 meses em garrafas antes da comercialização. Teor Alcoólico de 14,9%. A coloração é de um roxo intenso e profundo, com muito brilho.  Os aromas mostram frutas vermelhas e negras, pimenta, anis, alcaçuz e toques herbáceos. Na boca apresenta um bom corpo, com taninos potentes e bem integrados, acidez pontual e muita complexidade e suavidade, lembrando as sensações do olfato. Um longo final com  frutado e anis. Avaliação: 92/100 Pontos. Preço: R$171,00, na FineWines.  Obteve 93 Pontos de Parker. Polkura é o nome de uma pequena elevação (cerro, ou monte) na área do vinhedo.

Cobos Volturno 2012 – elaborado com 97% Cabernet Sauvignon e 3% Malbec, do Marrchiori Vineyard,  com Malbec de mais de 80 anos e Cabernet Sauvignon 17 anos. Amadurecimento de 17 meses  em 100% carvalho francês novo. Sem colagem nem filtração. Teor Alcoólico de 15%. A coloração é de um intenso e profundo rubi, com muito brilho e média transparência. Os aromas são complexos, com frutas negras (amora, cereja, ameixa), especiarias (pimenta), tostados e toques herbáceos minerais. Na boca apresenta um ótimo corpo, com taninos potentes e bem integrados e muito equilíbrio com o álcool e a acidez. Um vinho de muito potencial. Longo final com o intenso frutado se mostrando. Avaliação: 97/100 Pontos. Preço: R$ 1.099,00, na Grand Cru. Obteve 98 Pontos de Parker.

 

Publicado em: 19/12/2014

Degustação Top no Clube dos Amigos do Vinho

 

A confraria Clube dos Amigos do Vinho de São José do Rio Preto realizou, na noite de ontem, a sua última reunião do ano.  Como já ocorrera no ano passado, o local foi a casa do Marco Antonio  com a degustaçao de uma seleção Top. A harmonização foi com excelentes Tapas e um magnifico risoto de linguiça, preparados pela Leandra, esposa do Marco Antonio. Presentes José Luiz, José Manoel, Pradela, Marco Antonio, Osvaldir, Osvaldir Filho. Paulo Sérgio. Alex, Pablo e Toninho Calças. Para aquecimen to, o Osvaldir Filho ofereceu  um Dadá Finca Las Moras 2013, o Marco Antonio um Lorca Opala 2010 e o Osvaldir pai um espumante Freixenet nacional.  Vamos aos vinhos degustados, com as médias de avaliação e classificação.

Pera Manca Tinto 2010 – 94 Pontos – 4º. Lugar

Château Pape Clement Grand Cru Classé97 Pontos – 1º. Lugar

Casajus NIC 2009 – 94 Pontos – 3º. Lugar

Polkura Syrah G+1 2007 – 94  Pontos – 5º. Lugar

Cobos Volturno 2012 – 95 Pontos – 2º. Lugar

Foi uma noitada memorável, com uma excelente seleção. Nos próximos posts estaremos comentando.

 

 

Publicado em: 18/12/2014

Da Dal Pizzol

 

Da Dal Pizzol recebemos a mensagem que partilhamos com os amigos

Publicado em: 18/12/2014

Da Vinícola Boscato

 

Da Boscato recebemos a mensagem que partilhamos com os amigos

Publicado em: 17/12/2014

Da Villaggio Larentis

 

Da Famíla Larentis recebemos a mensagem que compartilhamos

Per Bacco. Todos os direitos reservados.2014