Publicado em: 27/06/2016

Caminhos de Pedra Memorável Barbera Piemonte 2006

 

 

O enólogo Silvério Salvati sempre sonhou construir uma pequena vinícola familiar para elaborar vinhos diferenciados, que não se consegue em grandes vinícolas e a nível industrial. Esta idéia soou bem também aos ouvidos da família Sirena, que acreditou na ideia e apostou junto como sócia do empreendimento.Com a ideia formada, a cantina aderiu ao projeto cultural Caminhos de Pedra. O projeto cultural Caminhos de Pedra tem sido responsável pelo resgate e preservação da cultura da colonização italiana, da arquitetura, do dialeto vêneto, da gastronomia, dos costume sócio-culturais e religiosos. A Cantina Salvati & Sirena está inserida neste contexto cultural, resgatando variedades de uvas quase não mais cultivadas, elaborando vinhos de qualidade.

 

Caminhos de Pedra Memorável Barbera Piemonte 2006 - elaborado com 100% Barbera Piemonte,  com amadurecimento de 6 meses em carvalho. Teor Alcoólico de 13,3%. A coloração é de um vermelho granada de média intensidade com reflexos alaranjados. Os aromas mostramnotas frutadas (cereja), frutas secas, menta e toques terrosos (terra, funghi). Na boca apresenta um corpo médio, leve,  com taninos macios e bem integrados ao frutado, que repete o olfato. Médio final frutado com leve madeira. Avaliação: 88/100 Pontos. Observação: originária da região de Piemonte, na Itália, essa uva é uma das primeiras variedades viníferas difundidas na Serra Gaúcha. Ela foi extinta na região pouco depois da chegada das variedades francesas. Através do Projeto Cultural Caminhos de Pedra, foi feito resgate de material vegetativo das poucas videiras remanescentes, multiplicando-o.

 

Publicado em: 27/06/2016

A seleção de junho do Bekaa Wine Club 90+

 

 

A seleção do Bekaa Wine Club 90+ de junho apresenta vinhos da Argentina, com avaliações superiores a 90 Pontos, sempre oferecidos a preços especiais para os associados, numa excelente relação custo/qualidade. Vamos a eles.

 

A bodega DiamAndes foi a quarta a ser inaugurada do projeto Clos de los Siete.  A vinícola fica em Tunuyan (Valle de Uco), aos pés da cordilheira dos Andes e tem esse nome por causa de um lago, o lago Diamente, que fica entre as montanhas. Fundada em  2005, pela  família Bonnie, proprietária dos famosos Château Malartic-Lagravière (Grand Cru Classé de Graves) e Château Gazin Rocquencourt (Pessac- Léognan) numa área de 130 hectares) .A história é a seguinte, em 1988 Michel Rolland conheceu a Argentina, se apaixonou pelo terroir e a facilidade de cultivo sem nenhuma umidade e muito sol e voltou pra França em busca de parceiros. encontrou seis, com ele sete: Clos de los Siete! Benjamin de Rothschild (Ch. Clarke), Laurent Dassut (Ch. Dassault), Bertrand e Jean Guy Cuvelier (Ch. Léoville-Poyferré), Catherine Péré-Vergé (Ch. Le Gay), Alfred-Alexandre Bonnie (Ch. Gazin Roquencourt) e Michel Rolland, compraram 650 hectares em Tunuyan e dividiram entre si.Cada vinícola produz os próprios vinhos e cada um fornece uma parte das uvas para produção do clos de los Siete. Já estão prontas: Monteviejo, Flechas de los Andes, Cuvelier Los Andes e DiamAndes .

 

DiamAndes Perlita  Malbec-Syrah 2014 -  elaborado com 80% Malbec e 20% Syrah, com fermentação fracionada em 64 pequenas cubas de inox com temperatura controlada (isolado com um revestimento duplo, único  na  América do Sul, com amadurecimento de 10 meses em barricas de carvalho francês. Teor Alcoólico de 14,5%.  A coloração é de um rubi intenso e brilhante. Os aromas mostram frutas vermelhas (cereja, amora), toque floral, canela, pimenta preta, baunilha e algo  de mentga. Na boca apresenta um bom corpo, com taninos firmes, acidez equilibrada, repetindo as sensações frutadas e de menta do olfato. Longo final com o toque mentolado se mostrando. Avaliação:  90/100 Pontos. Preço: R$ 99,00, aos membros do Bekaa Wine Club 90+.

 

 

 

A história do meteórico sucesso da vitivinícola Doña Paula começou a ser escrita em 1990, quando deu iniciou a um período de investigação sobre os diferentes terroirs argentinos com o objetivo de produzir vinhos de alta qualidade. Em 1997 foi adquirido o primeiro vinhedo aos pés da Cordilheira dos Andes, em Ugarteche, Luján de Cuyo (Mendoza), região mundialmente famosa pela Malbec e seus tintos aromáticos de taninos suaves. Um ano depois, adquiriu a Finca Los Cerezos, em Tupungato, Vale de Uco, região mais alta e fria, perfeita para produzir vinhos perfumados, frescos e elegantes. Já em 2004, o “Estilo Doña Paula” de fruta fresca, concentração e complexidade foi reconhecido pela crítica especializada da Europa e EUA e a Doña Paula foi eleita a “Marca mais valiosa do ano” pela revista Wine & Spirits. Para a Doña Paula, um excelente é a fiel expressão do vinhedo que lhe dá origem. Por isso, é detalhista e apaixonada pelo cuidado dos vinhedos, respeitando sempre a tipicidade varietal e territorial. Assim, em seus vinhedos se pratica agricultura sustentável, não são utilizados fungicidas, pesticidas ou herbicidas sintéticos e fauna e flora endêmicas são preservadas.

 

Doña Paula Estate Black Edition 2013 – elaborado com 60% Malbec, 37% Cabernet Sauvignon e 3% Petit Verdot, de vinhedos da Finca El Alto, localizada a 1.050 de altitude, no distrito de Ugarteche, em Luján de Cuyo,  com amadurecimento de 10 meses em barricas de carvalho francês de 1º, 2º e 3º usos.. Teor Alcoólico de 14,1%.  A coloração é de um rubi-violáceo intenso e brilhante. Os aromas mostram frutas vermelhas e negras  (cereja, ameixa e amora), notas florais, especiarias, tostado,  toques herbáceos e de chocolate. Na boca apresenta um bom corpo, com taninos aveludados e bem integrados ao intenso frutado, acidez equilibrada e leve chocolate, que se mantém no longo final frutado. Avaliação:  91/100 Pontos. Preço: R$ 111,00, aos membros do Bekaa Wine Club 90+. Observação: é um corte ‘bordolês’, mas com personalidade bem argentina, pois é a Malbec quem comanda o blend.

 

Para participar dessa seleção mensal do Bekaa Wine Club 90+ é só contatar o wineclub@bekaa.com.br ou pelo  telefone (17)98151-8384. Vale a pena

 

Publicado em: 25/06/2016

Os argentinos do sábado na Bekaa

 

 

Sob o comando de Sérgio Musolino, a Bekaa Delicatessen realizou a sua tradicional degustação dos sábados, onde os amigos das taças se encontram. Em pauta, desta vez, vinhos argentinos. Todos os vinhos são oferecidos a preço especial, no evento. Vamos aos vinhos.

 

 

 

O Grupo Peñaflor nasceu a partir da integração de adegas prestigiosas e antigas, e é hoje o maior exportador de vinhos da Argentina. Pertencem ao grupo: Finca Las Moras, Trapiche, Bodegas El Esteco, Bodegas Santa Ana, Bodegas La Rosa, Suter e  Andean Viñas. São 6140 hectares de vinhedos, localizados em Salta, Catamarca, San Juan e Mendoza. Finca Las Moras é uma vinícola pioneira dedicada à elaboração de vinhos de alta qualidade em San Juan desde a reestruturação das vinhas em 1993 por Richard Inteligente. Os vinhedos estão rodeados por amoreiras e, portanto, o nome para a adega. Finca Las Moras, com mais de 1.100 hectares de vinhedos plantados em diferentes vales, está focada em sustentabilidade, continuam a inovação e a cultura micro regiões de exploração, contribuindo com a complexidade e elegância que o impacto na fruta em cada uma das suas linhas de vinhos.

 

Chloe Torrontés 2014 – elaborado com 100% de Torrontés, da região de Cafayate, Salta. Amadurecimento de 6 meses em inox sobre borras. Teor Alcoólico de 14%. A coloração é de um verde limão brilhante. Os aromas mostram toques cítricos, lichia e flores intensos. Na boca apresenta corpo médio, fresco e persistente, repetindo as sensações do olfato, que se mantém no longo final. Avaliação: 89/100 Pontos. Preço: R$ 129,00.

 

Fincas Privadas Reserva Malbec 2012 –  elaborado com 100% Malbec, com amadurecimento de 12 meses em barricas de carvalho. Teor Alcoólico de 13,5%. A coloração é de um rubi violáceo. Os aromas mostram frutas negras (amora e cereja), leve toque de tostado e anis. Na boca apresenta um corpo médio, repetindo as sensações do olfato, com taninos suaves e leve adocicado. Bom final com o frutado se mostrando. Avaliação: 87/100 Pontos. Preço: R$ 58,00.

 

 

 

Fundada em 1901 por Don Leoncio Arizu, a Luigi Bosca tem uma extensa trajetória na indústria vitivinícola da Argentina. Atualmente, é dirigida pela terceira e quarta geração, e se constitui uma das poucas adegas que, através das décadas, permaneceu nas mãos da família fundadora.
A Luigi Bosca conta com 7 fincas na província de Mendoza: Los Nobles, La Linda, La España, Don Leoncio, El Paraíso, La Puntilla e Los Miradores. Ao todo são mais de 700 hectares dedicadas ao cultivo, estudo e entendimento da videira. Utiliza-se de práticas biodinâmicas em seus vinhedos, inclusive obedecendo ao ciclo lunar. Exporta anualmente a 50 países, entre os que se salientam os Estados Unidos, o Brasil, o Canadá, o México, os Países Baixos e a Grão Bretanha. Atualmente exporta  60% da sua produção, além de manter a sua liderança no segmento Premium do mercado argentino.

 

Finca Los Nobles Chardonnay 2014 –  elaborado com 100% Chardonnay, a partir de vinhas com mais de 90 anos.  Fermentação em barricas novas de carvalho francês(50%), onde amadurece por 8 meses. Envelhecimento mínimo de um  ano antes da comercialização.Teor Alcoólico de 13,7%. A coloração é de um amarelo dourado com reflexos esverdeados. Os aromas mostram frutas tropícais (manga, abacaxi),maçã, avelã,  algo de manteiga e mel. Na boca apresenta boa untuosidade, acidez equilibrada, com o amanteigado se apresentando junto ao lrve tostado. Bom final com o tostado se evidenciando. Avaliação: 91/100 Pontos. Preço: R$ 208,00.

 

Luigi Bosca Gala 1 2012- elaborado com 85% Malbec, 10% Petit Verdot e 5% Tannat a partir das melhores parcelas dos vinhedos de Vistalba, Carrodilla e Las Compuertas, tendo passado 14 meses em barricas de carvalho francês novas, 10 meses em garrafa. Teor Alcoólico de 14,9%. A coloração é de um púrpura intenso e brilhante. Os aromas mostram frutas negras, frutas em compota, especiarias doces, tabaco, café  e alcatrão. Na boca apresenta um bom corpo, com taninos potentes e em bom equilíbrio com as frutas e acidez. Um longo final com frutas passas e ao licor. Avaliação: 91/100 Pontos. Preço: R$212,00.

 

 

 

O projeto da Bodega Familia Schroeder nasceu em novembro de 2001, na localidade de San Patricio Del Chañar, Neuquén, a partir da plantação de vinhedos em uma área virgem de 120 hectares. A família, que até então não tinha tradição no segmento do vinho, apostou firme na idéia e cercou-se de bons profissionais para dar sustentação a esse ambicioso empreendimento. A começar pelo enólogo Leonardo Puppato , que trabalhava na Chandon, em Mendoza, e foi convidado a integrar o time.  Puppato não só acompanhou toda a gestação do empreendimento como também participou diretamente do projeto de construção da bodega que iniciou em outubro de 2002. A oportunidade de um enólogo contribuir até mesmo nos pequenos detalhes foi fundamental para o nascimento de uma vinícola moderna e inteligente, com uma concepção de produção em cinco níveis, inteiramente gravitacional, que aproveitou muito bem a inclinação do terreno.

 

Saurus Pinot Noir 2010 – elaborado com 100% da cepa, com fermentação em barricas de carvalho. Permaneceu 6 meses em barricas de carvalho, sendo 30% francesas e 70% americanas. Teor Alcoólico de 14,5%. A coloração é de um intenso rubi, com halos alaranjados, muito brilho e média transparência. Os aromas mostram boa complexidade, com groselha, framboesa, morango, cedro, especiarias, café, baunilha e cacau. Na boca mostra um bom corpo, com taninos bem integrados,  sedosos e adocicados, boa acidez. Longo final com chocolate e café. Foram elaboradas 13.000 garrafas, sendo esta a de número 5781. Avaliação: 90/100 Pontos. Preço: R$ 191,00.

 

Saurus Barrel Fermented Malbec 2013 - elaborado com 100% Malbec, com amadurecimento de 8 meses em barricas novas de carvalho francês (30%) e americano (70%). Teor Alcoólico de 14,5%.   A coloração é de um intenso vermelho púrpura escuro, com muito brilho. Os aromas são complexos, com ameixa, amora, frutas passificadas, toques florais e chocolate. Na boca as sensações do olfato se repetem, com taninos firmes e um leve adocicado, que se prolongam no bom final frutado, com chocolate. Avaliação: 90/100 Pontos. Preço: R$ 191,00.

 

 

 

Hugo Martino e Jorge Cardozo são amigos que há muito partilhavam uma paixão pelo vinho, até que eles decidiram começar a produzir vinhos . Assim, a paixão evoluiu com o projeto Fincas Don Martino, em homenagem ao avô paterno de Hugo Martino. Em 2010, Raul Molteni, amigo em comum, se juntou ao projeto, para adicionar sua experiência e conhecimento. A trilogia de amigos tomou a decisão de expandir a marca e diversifica-la. Fincas Don Martino está localizada em Lujan de Cuyo, num  edifício complexo, construído em 1901. Possui 60 hectares plantados em  duas  fincas próprias,  Viña Violeta  e Altos de Barrancas , e duas arrendadas, Terrada e Gabrielli.

 

Martino Cabernet Franc Reserva 2013 – elaborado com 100% Cabernet Franc, vinhedos de Barrancas, Maipú, com amadurecimento de 12 meses em carvalho francês (50%) e  americano (50%). Teor Alcoólico de 14%. A coloração é de um é vermelho rubi escuro e brilhante. Os aromas mostram frutas vermelhas, especiarias, pimenta e toque de menta. Na boca apresenta um bom corpo, com taninos firmes e bem integrados, acidez equilibrada, leve adstringência e o toque de menta presente. Longo final frutado, com algo de canela. Avaliação: 90/100 Pontos. Preço: R$ 132,00.

 

 

 

Alicia Mateu Arizu , esposa do winemaker Alberto Arizu (da Luigi Bosca),  iniciou em 1998, junto com o filho caçula Rodrigo Arizu, a comercialização de vinhos que seguem os conceitos de um verdadeiro château. Foram mais de 25 anos de investigações e estudos para obter vinhos de excelência, que hoje são cultivados em dois vinhedos: Viña Alicia e St. Albert. Com características chateau a Bodega Viña Alicia está rodeado por um vinhedo de 10 hectares de Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc, Merlot, Petit Verdot , Nebbiolo, Grenache Noir, Carignan, Albariño e Savagnin.

 

Paso de Piedra Malbec 2011 - elaborado com 100% Malbec, com amadurecimento de 6 meses em barricas de carvalho francês e americano de 2ª e 3ª passagem. Permanência mínima de 6 meses em cava antes da comercialização. Passou por leve filtração. Teor Alcoólico de 14,5%. A coloração é de um rubi luminoso, de média concentração. Os aromas mostram cereja, cassis, tabaco, grafite e chocolate amargo. Na boca apresenta um corpo médio, com taninos firmes, bem integrados ao frutado e acidez equilibrada. Leve toque salino, que permanece no bom final frutado. Avaliação: 89/100 Pontos. Preço: R$ 138,00.

 

 

 

Fundada em 1975,a  Bodega Cavas de Weinert  está localizada em Lujan de Cuyo. Bernardo C. Weinert, chamado de “Don Bernardo” na Argentina,  fundador e proprietário, pode ser definido como um empreendedor. Nascido em uma pequena colônia alemã no sul do Brasil, montou a sua história de negócios em transportes internacionais na América do Sul. Adquiriu a cantina construída em 1890 e após o trabalho de restauração intensa no edifício adquirido em 1974, trouxe a tecnologia mais recente na vinificação  e juntou-se com enólogos de renome. Um enorme tonel de 130 anos, adquirido na Itália, com  capacidade para 44 mil litros,  está instalado desde 1998 e ainda é utilizado. Nesses tóneis – também conhecidos como foudres – resulta em tintos com bom corpo e taninos amadurecidos, porém sem aquelas notas marcadas de carvalho. Quanto maior e mais usada a barrica, menor a passagem de aromas amadeirados para o vinho – porém a capacidade de evolução gradual da bebida no tonel permanece. Esse método permite que a Weinert atinja um alto grau de maturidade e complexidade em seus produtos, com um ar mais refinado, que agrega aromas terciários e preserva a expressão da fruta. Esse é o segredo e o diferencial da Weinert.

 

Carrascal  Gran Reserva 2010 – elaborado com 45% Malbec, 35% Merlot e 20% Cabernet Sauvignon, com amadurecimento de 24 meses em barricas de carvalho francês. Teor Alcoólico de 14%. A coloração é de um rubi intenso e brilhante. Os aromas mostram frutas negras, frutas em compota, notas de licor, tostado, tabaco e café. Na boca apresenta um bom corpo, com taninos intensos, bem integrados ao frutado, acidez equilibrada e um marcante café. Longo final com o frutado e o toque de  café se mostrando. Avaliação: 90/100 Pontos. Preço: R$ 152,00.

 

Publicado em: 25/06/2016

Vidigal Touriga Nacional Reserva 2012

 

Vidigal Wines é uma empresa produtora e engarrafadora de vinhos de qualidade, de origem portuguesa, fundada no ano de 1958. Fornecer o melhor vinho possível ao mais baixo preço possível, é para a Vidigal Wines uma questão de aprumo profissional. As raízes da Vidigal Wines remontam aos primeiros anos do século XX, quando uma família da região, Marques da Cruz, inicia a vinificação e comércio de vinhos nas suas propriedades, aproveitando as características agro-climáticas favoráveis para a cultura da vinha. Ant0nio Marques Cruz constrói  na cidade de Leiria instalações de assinalável dimensão, onde desenvolve a sua atividade. Posteriormente, os seus filhos adquirem a Quinta da Batarra na freguesia de Cortes, concelho de Leiria, onde prosseguem com êxito o negócio da família. Graças a uma preocupação constante de qualidade, a atividade sempre em desenvolvimento chega aos nossos dias. Em 1986 adota o nome de Caves Vidigal, Lda., iniciando uma nova fase da sua vida, lançando-se decididamente na exportação, conquistando novos mercados e respeitando sempre a quase secular tradição de seriedade na defesa da qualidade dos seus vinhos. Na últimas décadas fez importantes investimentos de ordem tecnológica, em toda a cadeia de produção e logística, que a tornaram moderna e flexível, capaz de se adaptar com rapidez à especificidade de diferentes mercados e clientes. A Vidigal Wines é uma das empresas de vinho mais flexível e inovadora do mercado português. A vinícola que mais quebrou paradigmas e inovou em Portugal nos últimos anos. Estão presentes em mais de 40 países.

 

Vidigal Touriga Nacional Reserva 2012 – elaborado com 100% Touriga Nacional, sem passagem por madeira. Teor Alcoólico de 13,5%. A coloração é de um rubi escuro, com brilho. Os aromas mostram frutas negras, frutas passificadas, especiarias, algo de balsâmico e floral. Na boca apresenta um bom corpo, com taninos firmes, bem integrados ao intenso frutado e acidez pontual. Longo final com um complexo aromático. Avaliação: 90/100 Pontos. Preço: R$ 73,00, na Bekaa DElicatessen

 

Publicado em: 24/06/2016

Bekaa e Farol promovem Feira Ibérica

 

Publicado em: 24/06/2016

Degustação de Anselmo Mendes

 

 

Na noite de ontem ocorreu a degustação de vinhos de Anselmo Mendes, numa  promoção da Bekaa Delicatessen (com Sérgio Musolino no comando) em parceria com o Restaurante L’Osteria. Os vinhos da noite foram harmonizados com um cardápio especial, elaborado pelo Chef Tiago Caparroz, do qual constou: Bisque de lagosta ao armagnac, Fetttucini artesanal e cauda de lagosta ao estragão, Filet de Hallibut, escordalha e beurre blanc de açafrão. 

 

Anselmo Mendes é um dos mais destacados vinicultores da região de Vinho Verde no Norte de Portugal. Ele nasceu na sub-região de Monção, famosa por seus Alvarinhos. Antes de começar sua própria produção, trabalhou para a Egrégia CVRVV e também prestou serviços à Borges, onde ainda dá consultoria. Foi com a casta Alvarinho em Monção e Melgaço, que Anselmo Mendes começou a produzir, em 1998. A adega, na zona do Vale do Minho, é um espaço de experimentação e investigação, a partir de onde a paixão de Anselmo Mendes pelo vinho e pela região ganha forma e gosto. É um lugar de reinvenção, para fazer de cada vinho uma expressão da terra elevada à sua forma mais sublime, um traço cultural, um rasgo de carácter. Dos Vinhos Verdes ao Alentejo, descendo pelo Douro e pelo Dão, com “saltos” aos Açores, Brasil e Argentina, Anselmo Mendes tem feito o seu percurso como enólogo cultivando uma paixão em cada região, conhecendo a expressão de cada terra e procurando enaltecer o seu melhor em cada vinho. Hoje, como consultor, conta com vários projetos de sucesso do norte a sul de Portugal e no estrangeiro. É “O produtor mais inovador no Alvarinho”, segundo José Penin, o maior crítico espanhol de vinhos.

 

Vamos aos vinhos. 

 

Muros Antigos Loureiro Escolha 2014 – elaborado com 100% Loureiro, de vinhas no Vale do Rio Lima, com forte influência climática do Oceano Atlântico.  Estágio de 4 meses sobre borras finas. Teor Alcoólico de 12%. A coloração é de um amarelo palha, com reflexo esverdeado, límpido e brilhante. Os aromas mostram toques cítricos e florais intensos, com algo de mineral. Na boca as sensações do olfato se repetem, num caráter jovial, com a acidez cítrica viva e algo de herbáceo. Agradável final frutado com o toque mineral se mostrando. Avaliação: 88/100 Pontos. Preço: 67,00, aos participantes do evento.

 

Muros Antigos Alvarinho 2014 elaborado com 100% Alvarinho, de vinhas de Monção e Melgaço, de baixa altitude. Fermentação e estágio de 6 meses em barricas de carvalho, sobre borras totais. Teor Alcoólico de 13%. A coloração é de um amarelo palha, com reflexo esverdeado, límpido e brilhante. Os aromas mostram  muita complexidade, com florais, cítricos e minerais se entrelaçando. Na boca apresenta untuosodade, repetindo as sensações complexas do olfato, e mostrando um toque de amargor, típico da casta. Longo final cítrico com o toque de amargor se mostrando. Avaliação: 90/100 Pontos. Preço: 186,00, aos participantes do evento.

 

Curtimenta Alvarinho 2011 elaborado com 100% Alvarinho, de vinhas de Monção e Melgaço, a partir de vinhas com mais de 12 anos, de baixa produção com níveis elevados de acidez e boa maturação. A característica é ser um vinho feito à antiga com curtimenta, com mais cor e mais taninos, explorando ao máximo o potencial da casta. Fermentação em barricas usadas de 400 litros onde permanece durante 9 meses sobre borras totais em barricas francesas novas e usadas. O vinho afina por mais seis meses na garrafa antes de sua liberação ao mercado.  Teor Alcoólico de 13%. A coloração é de um amarelo palha com reflexo dourado. Os aromas mostram muita complexidade, com frutas brancas, toques florais,  cítricos e defumado. Na boca apresenta boa estrutura, cremosidade, acidez, alcool  e madeira equilibrados. O frutado e o floral se mostram e permanecem no longo final. Avaliação: 91/100 Pontos. Preço: 315,00, aos participantes do evento.

 

Parcela Única Alvarinho 2013 elaborado com 100% Alvarinho, de vinhas de Monção e Melgaço, a partir de vinhas proveniente de uma só parcela que produz um vinho que revela o que de mais puro e original tem a casta. Amadurecimento de  nove meses em barrica de carvalho de primeiro uso, sobre borras totais,com levantamento semanal das borras (bâtonnage). Teor Alcoólico de 13%. A coloração é de um amarelo palha límpido e brilhante. Os aromas mostram notas cítricas, leve madeira e algo de tostado. Na boca apresenta uma elevado frescor, maciez, acidez delicada, com uma sutil madeira e toque mineral elegante. Longo final com os cítricos vivos e a mineralidade se mostrando. Avaliação: 92/100 Pontos. Preço: 315,00, aos participantes do evento. Observação: elaborado após dez anos de estudos sobre vinte parcelas, onde apenas uma se destacou nesse período, é a parcela única utilizada.

 

Para encerramento com chave de ouro da noitada foi servido um Vinho do Porto Vintage, da Fonseca. Desde o lendário 1840, o primeiro Vinho do Porto Vintage lançado no mercado, até aos fantásticos vintages declarados na última década, a empresa tem produzido uma série de vinhos aclamados, mesmo nos momentos mais adversos da história. James Suckling, no seu livro referência sobre vinhos do Porto Vintage, descreve o seguinte: ” Os Portos Vintage da Fonseca são consistentemente talvez os melhores de todos. Não só apresentam uma corpulência notável e uma riqueza poderosa enquanto jovens, mas também mantêm essa juventude durante décadas.”

 

Publicado em: 22/06/2016

Na Malte & Whisky

 

 

Giordano Pereira Serantola comandou a noite de degustação, na Malte & Whisky, com a presença de vários convidados. Vinhos da Argentina e da Itália estiveram na pauta. Todos com bom custo/qualidade. Vamos a eles.

 

Nicolas Catena é o mais reverenciado produtor da Argentina, na opinião unânime de toda a imprensa especializada internacional, de quem recebe sempre as melhores notas e prêmios. Para a Wine Spectator, trata-se do “líder inquestionável de qualidade na Argentina” e, para Parker, “Catena representa o máximo em vinhos da América do Sul”. A Alamos iniciou sua produção em 1993 e é a marca argentina mais vendida nos Estados Unidos e a primeira no mundo, para a faixa de 10 dólares. No portfólio estão vinhos tintos, rosados, brancos e espumantes. O Alamos Torrontés é produzido a partir de uvas de Cafayate,Salta. A uva Torrontes produz o vinho branco mais emblemático da Argentina, e podemos dizer que essa variedade é exclusiva desse país. Embora existam vinhedos de Torrontes em outros países, como na Espanha, onde possui características muito diferentes. A origem desta cepa era desconhecida, até que alguns trabalhos realizados para esse fim, indicaram que é um cruzamento entre duas variedades, Moscatel de Alexandria Criolla Chica. A torrontes é cultivada na maioria das regiões vitivinícolas da Argentina, mas, é no norte do país que tem o seu maior destaque, sobretudo em algumas regiões como Cafayate, na província de Salta e também no Vale de Famatina, na provincia de La Rioja, onde possui uma denominação de origem controlada.O Torrontes é um vinho que encanta degustadores de todo o mundo, porque tem características únicas, é bem diferente, e isso, o torna atraente.

 

Alamos Torrontés 2014 – elaborado com 100% Torronés, proveniente de vinhedos acima de 2500 metros, na região de Cafayate. A coloração é de um amarelo palha, com reflexos verdeais. Teor Alcoólico de 13%. Os aromas mostram damasco, pêssego, lichia, carambola, toques florais (jasmim, rosa) e de mel. Na boca repete as sensações do olfato, com uma acidez pontual que lhe confere frescor. Agradável final, com o intenso floral se mostrando. Avaliação: 88/100 Pontos.

 

 

 

Alfredo Roca é uma vinícola familiar (já na 4ª geração) fundada em 1905. Está localizada em San Rafael, em Mendoza, na Argentina. Possui 280 hectares de vinhedos que ficam a 800m de altitude em relação ao nível do mar.

 

Alfredo Roca Pinot Noir 2015 – elaborado com 100% de Pinot Noir, com amadurecimento de 8 meses em barricas de carvalho. Teor Alcoólico de 13%. A coloração é de um rubi de intensidade mediana e brilhante. Os aromas mostram frutas vermelhas (cereja e framboesa), menta e caramelo. Na boca apresenta pouco corpo, uma acidez fresca, álcool ligeiramente quente, taninos quase imperceptíveis, leve adocicado e um frutado presente, que permanece no médio final. Avaliação: 87/100 Pontos.

 

Alfredo Roca Fincas Malbec 2015 – elaborado com 100% Malbec, com amadurecimento de 9 meses em carvalho francês de 2º. uso. Teor Alcoólico de 14%. A coloração é de um vermelho rubi escuro. Os aromas mostram ameixa, cereja, amora, geléia de frutas, toques florais e algo herbáceo. Na boca as sensações do olfato se repetem, num bom corpo, com taninos suaves e acidez em equilíbrio. BHom final, com geléia de frutas se mostrando. Avaliação: 88/100 Pontos.

 

 

 

Fundada em 1952 em Reggio Emilia, Itália Schenk está entre as maiores vinícolas no cenário italiano. A empresa tem sido continuamente implementadas, a fim de se manter atualizado com a tecnologia e os parâmetros da mais alta qualidade. Nos últimos anos Schenk Itália aprofundou as relações e colaborações com os produtores das áreas mais aclamados produção italiana. A gama foi  aumentada, centrando-se em especial a produtos de alta qualidade a partir de Veneto, Piemonte, Toscana, Abruzzo e Sicília. A Boccantino fica na região da Sicília, no sul da Itália, toda banhada pelo mar Mediterrâneo. A uva Nero D’Avola, também conhecida como Calabrese,  é uma uva originária da ilha. Aparece, com maior frequência, em vinhos varietais no mercado mundial. Até pouco tempo atrás, era usada básicamente em assemblages com o intuito de aportar cor e corpo. É a uva tinta mais tradicional e importante da região. Mas há uma polêmica envolvendo a origem da uva. Há quem afirme que ela nasceu na Calábria. Há quem sustente que o nome Calabrese não tem essa ligação, tendo derivado, na verdade, da palavra Calavrisi ou Calaurisi, usada para identificar os habitante de Avola. Há quem afirme, ainda, que ela surgiu na Mesopotâmia.O fato é que Nero d’Avola é considerada uma uva nativa da Itália. O que já faz dela uma uva interessante, responsável por alguns dos melhores tintos da Sicília, além de participar do corte do tradicional vinho Marsala. Hoje é cultivada por toda a ilha, mas com maior destaque na região sul, graças a seu clima e solo, ideais para o desenvolvimento da Nero D’Alvola.

 

Boccantino Nero D’Avola 2014 – elaborado com 100% Nero D’Avola. Teor Alcoólico de 13%. A coloração é de um rubi intenso e brilhante. Os aromas mostram frutas vermelhas, principalmente cereja, toques florais e algo de alcaçuz. Na boca apresenta um corpo médio, com taninos firmes e bem integrados, acidez equilibrada. Bom final com frutado e um toque mineral. Avaliação: 90/100 Pontos.

 

 

 

A uva Primitivo é uma uva cujas origens remetem à região da Puglia, que está localizada no sul da Itália, bem no que poderíamos chamar de “calcanhar da bota”. Esta uva foi levada, entre outras coisas, para os Estados Unidos, pelas mãos de imigrantes italianos, que passaram a produzir por lá alguns vinhos de relativa qualidade.Muito conhecida por seus vinhos, a região da Puglia é banhada pelo Mar Jônico e também pelo Mar Adriático. Seus vinhos produzidos ao longo dos anos eram considerados de baixa qualidade, para consumo rápido e diário, sendo vendidos em garrafões para as regiões mais ao norte do país. Até que a vinha primitivo foi redescoberta, e se percebeu que com ela era possível se entregar vinhos realmente muito bons, que acabaram por figurar entre alguns dos melhores vinhos italianos da atualidade. Dentre as principais regiões produtoras de vinhos da uva primitivo na Itália, podemos destacar a região conhecida como Manduria, que é localizada bem no sul da Puglia e que produz alguns dos vinhos mais apreciados da atualidade. Além da Manduria, também merecem destaque as regiões de Lizzano e de Sava, que também produzem vinhos feitos com a uva primitivo que apresentam excelente qualidade.

 

La Buca Salento Primitivo 2014 -  elaborado com 100% Primitivo, de vinhedos entre 15 e 35 anos. Teor Alcoólico de 13%. Sem barrica, apenas afinamento em tanques de aço inox. A coloração é de um rubi violáceo brilhante. Os aromas mostram frutas vermelhas e toques herbáceos. Bom final com o frutado se mostrando.  Avaliação:  90/100 Pontos.

 

Publicado em: 20/06/2016

Os italianos do sábado na Bekaa

 

Os vinhos italianos do sábado na Bekaa

 

 

GE DIGITAL CAMERA

 

Sérgio Musolino comandou mais uma tradicional reunião do sábado na Bekaa, apresentando uma seleção de vinhos especiais da Itália. Como sempre, os vinhos são vendidos com descontos especiais (20%),  oferecidos aos participantes do evento. Vamos aos vinhos.

 

Ferrari Maximum Brut - elaborado com 100% Chardonnay, permanecendo 36 meses sobre leveduras, fermentando na garrafa.  Teor Alcoólico de 12%. A coloração é de um amarelo palha, com nuances douradas, muito brilhante. Apresenta  perlage fino e duradouro. Os aromas são complexos, com frutas cítricas, frutas tropicais, toques florais, algo de mel e tostado. Na boca apresenta uma cremosidade excelente, com acidez perfeita e enorme frescor. Afloram avelã, crosta de pão e tostado. Avaliação: 91/100 Pontos. Preço: R$ 275,00.

 

Unique Espumante Rosé Brut 2013-  elaborado pela Medice Ermete, Reggio Romana, com a variedade Lambrusco Marani, pelo método tradicional, com amadurecimento de  16 meses sobre as lias em posição horizontal. Teor Alcoólico de 12%. Coloração rosada delicada como casca de cebola, brilhante com bolhas muito finas. Aromas de morangos silvestres sob toques de pão fresco. Na boca mostra-se austero, sápido, com final suculento. Avaliação: 90/100 Pontos. Preço: R$ 150,00.

 

Castello di Magione Grechetto 2012 - elaborado com 100% Grechetto, com amadurecimento em tanques de inox. Teor Alcoólico de 13%. A coloração é de um amarelo palha com reflexos dourados suaves e muito brilho. Os aromas mostram frutas tropicais, frutas cítricas, lichia, toque mineral e um ligeiro toque de nozes. Na boca as sensações do olfato se repetem, mostrando-se elegante e seco, com uma acidez agradável e um amargor sutil. Um agradável e refrescante final com o mineral se mostrando. Avaliação: 89/100 Pontos. Preço: R$ 88,00. Observação: Apesar da Grechetto ser uma uva autóctone da Úmbria é, também, encontrada  na Toscana e Lácio, principalmente nas áreas de fronteira com a  Umbria. Fora das fronteiras da Úmbria , Grechetto é quase exclusivamente  em blend, ao passo que em sua terra natal é freqüentemente usado para a produção de vinhos monovarietais . É geneticamente similar ao Pignoletto, uva conhecida na Emilia Romagna e Ribolla Riminese.

 

Poggio Selvale 2010 – elaborado com 90% Sangiovese (Grosso e Piccolo), 5% Merlot e 5% Colorino, com passagem por barricas de segundo e terceiro uso.  Teor alcoólico de 13%. A coloração é de um rubi intenso com reflexos granada. Os aromas mostram frutas vermelhas (cereja, amora, ameixa), toques herbáceos e florais, algo de  mineral e alcaçuz. Na boca as sensações do olfato se repetem, especialmente o frutado, num médio corpo, taninos suaves e bem integrados. Bom final com o frutado se mostrando. Avaliação: 89/100 Pontos. Preço: R$ 58,00,  na embalagem de 375 ml.

 

Castello di Magione Nero Cavalieri Pinot Nero 2009 – elaborado com 100% Pinot Noir, com amadurecimento de 6 meses em barricas de carvalho francês. Teor alcoólico de 13,5%. A coloração é de um rubi claro e brilhante. Os aromas mostram frutas vermelhas (morango, framboesa, cereja). Cereja em compota, toques herbáceos e florais. Na boca apresenta um corpo leve, com taninos suaves e um ótimo combinado de frutas, que se mantém no bom final. Avaliação: 90/100 Pontos. Preço: R$ 173,00.

 

Camporsino Chianti 2013 – elaborado com 100% Sangiovese, sem passagem por carvalho, Teor alcoólico de 13%. A coloração é de um rubi médio, com muito brilho. Os aromas mostram morango, cereja, amora, com notas florais e de  especiarias. Na boca apresenta um corpo médio, com taninos macios, ótima acidez com um destaque frutado, que se mantém no bom final, especialmente mostrando cereja. Avaliação: 89/100 Pontos. Preço: R$ 119,00.

 

Tormaresca  Neprica 2013 – elaborado com 40% Negroamaro, 30% Primitivo e 30% Cabernet Sauvignon, de duas propriedades de Antinori, em Puglia.  Amadureceu em tanques de inox por 8 meses e depois passou por leve estágio de 4 meses em barricas de carvalho francês. Teor Alcoólico de 13,5%. A coloração é de um intenso e brilhante rubi. Os aromas mostram ameixa, cereja ,notas florais e ervas secas. Na boca apresenta um bom corpo, taninos macios e bem integrados ao frutado, acidez pontual e um toque floral. Bom final com ótimo frutado. Avaliação: 90/100 Pontos. Preço: R$ 125,00. Tormaresca é o projeto da família Antinori na Puglia.

 

Folonari Santa Martina Toscana 2011 - elaborado com 40% Sangiovese, 20% Cabernet Sauvignon, 20% Merlot  e 20% Syrah, com amadurecimento de 11 meses em barricas de carvalho eslavo. Teor Alcoólico de 13,5%. A coloração é de um intenso e brilhante rubi, com reflexos violáceos. Os aromas mostram cereja, ameixa, especiarias, toque floral e algo herbáceo. Na boca apresenta um bom corpo, repetindo o olfato, com taninos macios e acidez em equilíbrio. Bom final com o frutado e um toque picante. Avaliação: 88/100 Pontos. Preço: R$ 81,00.

 

Tormaresca Paiara 2011 – elaborado com 70% Negroamaro e 30% Cabernet Sauvignon, sem passagem por madeira. Teor Alcoólico de 13%. A coloração é de um rubi com reflexos púrpura. Os aromas mostram frutas negras, notas florais, pimenta,  toques fumados e herbáceos. Na boca apresenta um bom corpo, taninos macios e bem integrados ao intenso frutado e acidez equilibrada. Bom final com a fruta presente e o toque fumado se mostrando. Avaliação: 88/100 Pontos. Preço: R$ 84,00.

 

Rocca delle Macie Roccato 2009 – elaborado com 50% de Sangiovese e 50% de Cabernet Sauvignon, com passagem de 13 meses em carvalho e após o blend mais 3 meses em “botti” de 3.500 litros. Permanece mais um ano em garrafas antes da comercialização. Teor Alcoólico de 14%.  A coloração é de um rubi intenso e escuro, com muito brilho. Os aromas mostram intenso frutado (ameixa, morango), amora compotada, cravo, tabaco, couro e menta. Na boca apresenta um bom corpo, suculento,  com taninos e acidez equilibrados. Um longo final com tostados e toques de menta. Avaliação: 92/100 Pontos. Preço: R$ 372,00.

 

Rocca delle Macie Di Fizzano Riserva 2010 – elaborado com 85% Sangiovese , 10% Cabernet Sauvignon e 5% Merlot, com  amadurecimento em botti (24 meses) e a terça parte amadurecida em barricas francesas. Teor Alcoólico de 14%. A coloração é de um vermelho-rubi cereja de médiaintensidade. Os aromas mostram frutas vermelhas, tostado, toque herbáceo e notas florais, terrosas e mentoladas. Na boca apresenta um bom corpo, com taninos firmes, bem integrados, acidez equilibrada e um toque mineral. Longo final com o toque mineral se mostrando. Avaliação: 92/100 Pontos. Preço: R$ 258,00. Observação: o nome Fizzano é porque está na região onde está localizado o Resort Riserva di Fizzano.

 

 

Publicado em: 16/06/2016

Degustação do Sul da França

 

 

Vamos aos vinhos degustados na Confraria do Vinho de São José do Rio Preto,  na noite dos Vinhos do Sul da França.

 

A história das vinhas de Languedoc datam do século V aC, quando os gregos introduziram a videira e suas práticas de cultivo. Mas é em 1531 que os monges beneditinos da Abadia de St Hilaire, uma cidade vizinha de Limoux, produziram o primeiro vinho espumante do mundo . The First World Bulle então nasceu.O senhor da região, o Sieur d’Arques, estava acostumado a sorver o “Flascons” Blanquette para comemorar suas vitórias.
Quatro séculos mais tarde, em 1946, os enólogos fundaram a adega Sieur d’Arques. Desde então, a Casa continua o trabalho de seus artesãos notáveis ansiosos para compartilhar um know-how ancestral para todos os amantes de vinhos excepcionais. São regras básicas da AOC: a segunda fermentação deve ocorrer na garrafa (método tradicional) pelo período mínimo de 9 meses; as uvas permitidas são a Mauzac (também chamada de Blanquette e que deve corresponder a 90% do vinho base), Clairette, Chenin Blanc e Chardonnay.

 

Saint-Hilaire Blanquette de Limoux 2013 – elaborado com 90% de Mauzac, e o restante em parcelas iguais de Chenin Blanc e Chardonnay. Teor Alcoólico de 12%. A coloração é de um amarelo palha e reflexos esverdeados. Perlage de média intensidade.  Os aromas mostram frutos de polpa branca e leve lembrança da fermentação. Na boca tem boa acidez e cremosidade. Final longo, com fruta presente e leve tostado. Avaliação: 89/100 Pontos. `Preço: R$ 162, 00, no EVino

 

 

 

Os vinhedos da Domaine Ferrer Ribière estão situados na região do Roussillon, nos arredores da cidade de Perpignan, bem perto da fronteira com a Espanha e o Mar Mediterrâneo. Eles são fruto de um trabalho iniciado em 1993 pela dedicada dupla de viticultores franceses Denis Ferrer e Bruno Ribière .Seguindo os preceitos da biodinâmica, Ferrer e Ribière cultivam pequenas parcelas de diversas castas regionais, resgatando vinhas velhas abandonadas e buscando elaborar os vinhos mais “puros” possíveis. Eles conduzem cada casta e cada vinha na direção da essência de seu terroir, sem grandes interferências da mão humana.

 

Domaine Ferrer-Ribière Empreinte du Temps Carignan 2013 – elaborado com 100% Carignan,  sendo uma porção significativa delas constituída de videiras pré-filoxéricas, plantadas em forma de cálice e que atingiram a marca de 138 anos de idade, figurando entre as mais antigas vinhas em produção de todo o planeta. Amadurecimento numa mescla de tanques de cimento e barricas usadas, alternado conforme as posições do sol e da lua, por um período de 6 meses. Teor Alcoólico de 13,94%. A coloração é de um  violeta intenso e brilhante. Os aromas mostram intensas frutas vermelhas (amora, cassis, jaboticaba), especiarias e alcaçuz. Na boca apresenta bom corpo, com taninos macios e acidez equilibrada, mineralidade e toque adocicado do alcaçuz. Longo final com o frutado intensop se mostrando. Avaliação: 90/100 Pontos. Preço: R$ 304,00, na Bekaa Delicatessen. Observação:obteve 91 pontos de Robert Parker

 

 

 

Localizada em  Siran,  a  Domaine de l’Oustal Blanc foi criada em 2002e  abrange, atualmente, mais de 8 hectares de vinhas. Claude Fonquerle nasceu nas vinhas de Languedoc . Depois de dez anos na Domaine du Père Caboche, em Châteauneuf-du-Pape, ele continuou a sua experiência no Côtes du Ventoux ChâteauValcombe. De volta a sua região natal de Languedoc, especificamente no solo de Siran, na Minervois, ele decidiu criar o vinho Domaine de l’Oustal Blanc. Estamos em seguida, em 2002, em Siran, entre Carcassonne e Narbonne. Sua esposa, Isabel, licenciada em vinicultura, compartilha com ele a paixão para o vinho.

 

Domaine de l’Oustal Blanc Giocoso 2011 – elaborado com 64% Grenache, 20% Syrah e 10% Carignan e 6% Cinsault. Amadurecimento de 12 meses em barricas de carvalho francês, (50% novas e de 2° uso) para o Carignan e o Syrah. O Grenache e Cinsault permanecem nos tanques de cimento. Teor Alcoólico de 15%. A coloração é de um rubi intenso e brilhante. Os aromas mostram frutas vermelhas,  cereja em compota, caixa de especiarias e incenso. Na boca apresenta um bom corpo, com taninos firmes e presentes, bem integrados ao frutado, acidez pontual e algo mineral. Longo final de boca com o frutado se mostrando. Avaliação: 90/100 Pontos. Preço: R$ 272,00, na Bekaa Delicatessen.

 

 

 

A família Mas tem uma longa história de vinhedos no Languedoc-Roussillon onde elabora vinho desde 1892, mas foi Jean-Claude Mas quem levou o negócio ao que é hoje. Com um olhar de Novo Mundo sobre toda a região, a vinícola possui 170 ha, com propriedades em Pézanas, Montagnac e Limoux, além de parcerias em 700 hectares. Sua linha de rótulos varietais Vin de Pays d’Oc de qualidade inclui La Forge Estate e Arrogant Frog.  Saliente-se que  os vinhos não são orgânicos, todavia, possuem certificado “Terra Vitis” que significa que o Domaine Paul Mas trabalha de acordo com as normas da “agricultura sustentável”.

 

Domaine Paul Mas Clos de Mûres 2013 – elaborado com 85% Syrah (videiras de 30-50 anos), 10% Grenache (videiras de 50 anos) e 5% Mourvèdre, do  vinhedo específico “Clos des Mûres” de 11 hectares. Amadurecimento de 10 meses em barricas francesas e americanas,30% novas, 35% de 2ª passagem e 35% de 3ª passagem. Engarrafado sem clarificação e filtração. Teor Alcoólico de 14%. A coloração é de um rubi brilhante com nuances purpúreas. Os aromas mostram amora, framboesa, cereja, chocolate, especiarias e couro. Na boca apresenta bom corpo, com taninos carnudos, repetindo as sensações do olfato e acidez em equilíbrio. Longo final frutado com um toque de orégano. Avaliação: 89/100 Pontos. Preço: R$ 186,00, na Bekaa Delicatessen.

 

 

 

Localizado no coração da bacia climática de Bandol, a vinha foi assumida em 1994 por Luc Sorin, a quem Robert Parker chamou um dos viticultores mais emocionantes do sul da França. O vinhedo de 32 acres é classificado como parte Bandol e parte Côtes de Provence. O vinhedo segue os princípios orgânicos; solos são alimentadas com composto orgânico e trabalhou sem produtos químicos, de modo a obter a melhor expressão do terroir.

 

Domaine Sorin 2005 – elaborado com 85% Mourvèdre, 10% Syrah e  5% Carignan. Amadurecimento de 16 meses em barricas de 228 litros de carvalho francês, 20% novas. Engarrafado sem filtração. Teor Alcoólico de 15%. A coloração é de um rubi profundo e brilhante. Os aromas mostram frutas vermelhas, ervas aromáticas, couro, alcatrão e toque amadeirado. Na boca apresenta um bom corpo, com taninos firmes e bem integrados e acidez equilibrada. Longo final frutado com ervas aromáticas se mostrando. Avaliação: 89/100 Pontos. Preço: R$ 290,00, na Bekaa Delicatessen.

 

 

 

Jean Luc Thunevin, tomou as técnicas que fizeram sucesso com Château Valandraud em Saint-Emilion a uma região diferente. Em 2000, em parceria com Jean-Roger Calvet, ele comprou uma propriedade na área de Maury na região Roussillon sul da França. Roussillon pode oferecer vinhos extraordinários, vinhos únicos e poderosos, quase esmagadores na sua dimensão. Segundo Thunevin, as horas intermináveis de sol, o clima seco, ameno e previsível, os solos de xisto preto e as vinhas muito velhas de Grenache são a chave do Roussillon.

 

Domaine Thunevin Calvet Les Dentelles 2008 – elaborado com 40% Grenache, 40% Carignan e  20% Mourvèdre. Amadurecimento de 18 meses em barricas francesas. Teor Alcoólico de 15%. A coloração é de um rubi com nuances roxo, límpido e brilhante. Os aromas mostram frutas vermelhas (cereja, framboesa, amora), alcaçuz, cacau, tabaco, couro  e toques de madeira. Na boca apresenta bom corpo, taninos suaves, bem integrados ao frutado e um leve apimentado. Longo final com amadeirado presente. Avaliação: 91/100 Pontos. Preço: R$ 320,00, na Bekaa Delicatessen. Observação: obteve 92 pontos de Parker

 

Publicado em: 15/06/2016

Degustando Sul da França

 

 

A Confraria do Vinho de São José do Rio Preto realizou, na noite de hoje, a sua reunião do mês de junho, tendo por local  o Restaurante Grand-Père, do Hotel Saint Paul. Presentes:  Achiles, Osvaldir, Lorga, Florêncio, Tognola  e Edilberto  .  A seleção da noite foi feita pelo Lorga e na pauta Vinhos do Sul da França. Como aquecimento tivemos o Saint-Hilaire Blanquette de Limoux. Vamos aos vinhos degustados, com a classificação.

 

01 - Empreinte du Temps Ferrer Ribiere 2013 –  Média 89/100 Pontos - 3º. Lugar

 

02 – Giocoso L’Ostal Blanc – Média 90/100 Pontos – 2o . Lugar

 

03 – Chateau Pal Mas de Mures 2013 – Média 88/100 - 5º. Lugar

 

04 -  Domaine Sorin 2005 – 88/100 Pontos - 4º. Lugar

 

05 -  Les Dentelles Thunevin Calvet – 90/100 - 1º. Lugar

 

Comentaremos os vinhos no próximo post. A próxima reunião será no dia 22 de julho, uma degustação especial, com os confrades levando um vinho de sua escolha.

 

 

 

Per Bacco. Todos os direitos reservados.2016