Publicado em: 24/06/2017

Os vinhos da Caliterra do sábado na Bekaa

 

 

Os vinhos da vinícola argentina Viña Alicia , marcaram a degustação deste sábado na Bekaa. Sob o comando de Sérgio Musolino,  foram degustados vinhos oferecidos a preços especiais aos participantes, como tradicionalmente a Bekaa faz nas degustações do sábado. Vamos aos vinhos.

 

Caliterra foi criada em 1996 como uma parceria entre a família Robert G. Mondavi e Viña Errázuriz, que procurou realizar seu sonho compartilhado de produzir vinhos de alta qualidade que reflitam o potencial da natureza chilena, terroir e frutas. O Vale do Colchagua foi escolhido como a casa de Caliterra Estate. Localizado no coração do vale, a propriedade de aproximadamente 1.085 há. No início de 2004 Viña Errázuriz adquiriu a participação da família Robert Mondavi com o objetivo de elaborar vinhos premium amigas do ambiente de uma das mais importantes regiões vinícolas do mundo. São produzidas as linhas Reserva – Monovarietais, Tributo – vinhos oriundos de um único vinhedo, Edición Limitada e Cenit –o ícone da Vinícola Caliterra.

 

Caliterra Tributo Single Vineyard Maitenal Chardonnay 2014 - elaborado com 100% Chardonnay , do Valle de Casablanca – vinhedo Santa Marta – Bloco Maitenal, com passagem de 10 meses em barricas de carvalho francês. A coloração é de um amarelo palha com reflexo na transição para dourado . Os aromas mostram frutas tropicais como abacaxi, pêssego, pêra, toque cítrico, mel, avelã e notas amanteigadas. Na boca as sensações olfativas se repetem, com ótimacremosidade. Elegância e  discreta mineralidade, que se mantém no agradável  frescor do final. Avaliação: 90/100 Pontos. Preço: R$113,00.

 

Caliterra Reserva Merlot 2015 – elaborado com 85%Merlot E 15% Malbec, com amadurecimento em barricas de carvalho de 7 a 9 meses (30% do vinho). Teor Alcoólico de 13,5%. A coloração é de um rubi brilhante, com tons violáceos.  Os aromas mostram ameixa, morango,framboesa,  notas de café, caramelo e tabaco. Na boca apresenta um corpo médio, textura sedosa, sabores frutados e ótima acidez, que garante muito frescor. Bom final frutado. Avaliação: 88/100 Pontos. Preço: R$ 72,00.

 

Caliterra Tributo Cabernet Sauvignon 2013 –  elaborado com 97% Cabernet Sauvignon, 2% Cabernet Franc, 1% Petit Verdot., com  amadurecimento de 12 meses em barricas de carvalho francês (15% novas). Teor Alcoólico de 14%. A coloração é de um  rubi concentrado, com muito brilho. Os aromas mostram frutas vermelhas e negras, anis, tabaco, toques balsâmicos e mentolados. Na boca apresenta um bom corpo, com taninos firmes e bem integrados ao frutado. Longo final com toque  balsâmico. Avaliação: 90/100 Pontos. Preço: R$ 113,00.

 

Caliterra Tributo Malbec 2013 – elaborado com 97% Malbec e 3% Petit Verdot ,com  amadurecimento de  12 meses em barricas de carvalho americano e francês. Teor Alcoólico de 13,5%. A coloração é de um  púrpura concentrado e brilhante. Os aromas mostram frutas negras, ameixa seca, café, e toque floral. Na boca apresenta um bom corpo, rico em fruta compotada,  ótima acidez e taninos suaves e bem integrados. Bom final com frutas secas. Avaliação: 90/100 Pontos. Preço: R$ 113,00, no evento.

 

Caliterra Dstnto 2014 – elaborado com 52% Malbec , 35% Petit Verdot e 13% Carignan, provenientes de diferentes partes de um vinhedo com 18 anos. Elaborado pelo método de maceração carbônica, em barricas de carvalho francês de 400 litros, por 20 dias. A coloração é de um púrpura intenso e brilhante. Os aromas mostram frutas vermelhas de muito frescor (típico da maceração carbônica), toques florais e minerais. Na boca apresenta médio corpo (mais intenso do que outros vinhos elaborados por maceração carbônica), grande frescor, taninos suaves, bem equilibrado com a acidez e o frutado. Bom final mantendo o frutado e o frescor. Avaliação: 89/100 Pontos.  Preço: R$102,00.  Observação: “vinho de autor”, elaborado por Rodrigo Zamorano,  Enólogo-Chefe da Caliterra.

 

Caliterra Tributo Carmenère 2013 –  elaborado com 93% Carménère, 2% Petit Verdot e 5% Malbec, do Vale de Colchagua – Bloco Quillay, com  amadurecimento de  14 meses em barricas de carvalho americano (70%) e francês (30%). Teor Alcoólico de 14%. A coloração é de um vermelho-púrpura profundo e brilhante. Os aromas mostram frutas negras (amora, mirtilo) ,tabaco, especiarias doces, leve café,  e algo de defumado. Na boca apresenta um bom corpo, taninos sedosos e bem integrados, com acidez equilibrada e o álcool se mostrando. Bom final com toque adocicado. Avaliação: 89/100 Pontos. Preço: R$ 113,00.

 

Caliterra Cenit 2008  - elaborado com 20% Cabernet Sauvignon, 30% Malbec, 17% Carmenère,  13% Petit Verdot, 10% Cabernet Franc e 10% Syrah, tendo passado 18 meses em carvalho novo francês (90%) e americano (10%). Teor Alcoólico de 14,5%. A coloração é de um intenso e escuro (quase negro) rubi, mais claro nas bordas. Os aromas são complexos e nítidos, com frutas negras, licor de chocolate, folhas molhadas, madeira, toques de alcaçuz e de pimenta negra. Na boca apresenta um corpo opulento, com taninos potentes e integrados à fruta. Acidez fresca. Um longo final com tostado e chocolate. Garrafa 3119. Avaliação: 92/100 Pontos. Preço: R$ 422,00.

 

Publicado em: 22/06/2017

Os vinhos espanhóis na degustação da Confraria do Vinho

 

 

Vamos aos vinhos da Espanha degustados, no dia de ontem, na confraria Clube dos Amigos do Vinho, de São José do Rio Preto 

 

Terra de Falanis é uma adega com um pé em Mallorca e um em Montsant.  A ideia de Miquel A. Sardá e Pere Obrador é produzir vinhos em diferentes microclimas mediterrâneos, que combinem a cultura catalã com diferentes altitudes e continentalidade, sempre marcados pela influência marítima. Os vinhos são belas expressões dos terroirs de Mallorca e Montsant e foram apontados pelo crítico José Peñin como “vinhos de ótimo preço. Jovens, saborosos e fáceis de beber”. Os rótulos com nomes formados por onomatopeias e as ilustrações do artista plástico Pere Joan são uma atração à parte! Além do Plic Plic Plic, são produzidos o Muac e o Bla bla bla. As uvas utilizadas na produção dos  Terra de Falanis, bem como as utilizadas na elaboração dos outros vinhos da Ánima Negra, são cultivadas em cerca de 135 localidades (próprias ou de parceiros da produtora) em um raio de 10 quilômetros da vinícola. Essas áreas de cultivo contam com vinhas entre 50 e 85 anos de idade. 

 

Plic Plic Plic 2015 – elaborado com 50% Samsó (Carignan) e 50% Garnacha, com estágio de seis meses em barricas de carvalho francês e americano. Teor nAlcoólico de 14%. A coloração é de um rubi intenso e brilhante. Os aromas mostramamora, cereja, ameixa, notas florais, especiarias doces, além de toques terrosos e herbáceos. Na boca as sensações do olfato se repetem, num corpo médio, taninos suaves, acidez em equilíbrio, leve adstringência e mineralidade. Bom final frutado com o toque mineral se mostrando. Avaliação: 91/100. Preço: 86,21, na Mistral. Excelente custo/qualidade  

 

 

 

Alvaro Palacios é considerado um dos melhores e mais talentosos enólogos da Espanmha. Um dos vinhos mais conhecidos produzidos por Alvaro Palacios é o vinho tinto L’Ermita, um dos vinhos mais disputados e comentados do mundo. Herdeiro de uma tradicional família de produtores de vinho do Rioja, Alvaro Palacios estudou enologia em Bordeaux e assumiu, na década 1980, os vinhedos de uma antiga propriedade vinícola em Priorato, abandonada desde a crise da filoxera. O talento do enólogo junto ao terroir, às colinas íngremes e terraços do da propriedade, que fica a 600 milhas de Barcelona, resultou na produção de vinhos de grande sucesso e repercussão em toda a Espanha e no mundo.

 

Camins del Priorat 2015 – elaborado com 60% Carignan, 30% Granacha , 5%Cabernet  e 5% Syrah , a partir de vinhedos próprios e outros selecionados no Priorato, com amadurecimento de  4 meses em barricas de carvalho. Teor Alcoólico de 14,5%. A coloração é de um rubi vivo, com halos violáceos e muito brilho. Os aromas mostram cereja, framboesa, amora, especiarias finas, notas balsâmicas e baunilha. Na boca apresenta um bom corpo, com taninos firmes, acidez média, mineralidade e álcool se apresentando. Bom final frutado, com mineral se mostrando. Avaliação: 92/100. Preço: 205,49, na Mistral.

 

 

 

Clos Mogador localizada em Gratallops, no centro do Piorato, com seus 13 hectares de vinhedos plantados em terraços ingremes, acima do rio Siurana, foi fundada em 1979 pelo catalão-francês René Barbier, mas o primeiro vinho apareceu apenas depois do ano de 1989, em uma versão conjunta com nove outros produtores, que recebeu grande sucesso. René Barbier liderou o movimento original Priorat, provando que vinhos únicos e emocionantes poderiam ser feitos nesta área “esquecida” da região. Na vinícola Clos Mogador ele cuidou das velhas vinhas abandonadas que foram plantadas em encostas íngremes no solo de xisto, dando origem a uvas bastante concentradas e intensas. Rapidamente a propriedade se firmou como a principal vinícola da denominação de origem. 

 

Clos Morgador 2011 – elaborado com 40% de Garnacha (vinhas de mais de 80 anos), 40% de Cabernet Sauvignon e 20% de Syrah (todas vinhas com mais de 30 anos), com amadurecimento de 18 meses em carvalho. Teor Alcoólico de 15,5%. A coloração é de um intenso e brilhante rubi. Os aromas complexos mostram muita fruta madura (ameixa, cereja, amora, lichia), licor de cassis, toques animais e notas de fermentação, com baunilha ao final. Na boca apresenta um bom corpo, com muito volume, taninos bem integrados ao álcool, acidez e frutas intensas. Um longo final, com cacau e tostados. Avaliação: 93/100 Pontos. Preço: R$626,00, na Mistral

 

 

 

Clos Figueras está localizada em um terroir excepcional, escolhido para Christopher Cannan por René Barbier, de Clos Mogador em 1997, quando alguns dos melhores vinhedos desta região ainda não haviam sido descobertos. As vinhas antigas de Garnacha e Cariñena e parcelas de Cabernet Sauvignon, Syrah e Mourvèdre são plantadas em terraços de puro xisto, como os melhores vinhos do Priorato. René Barbier cuida dos vinhedos e da vinificação. Apesar de ser relativamente nova e pequena, a vinícola Clos Figueras tem se destacado na região do Priorato. A atuação de Christopher Cannan foi essencial para o desenvolvimento da companhia, dando origem a vinhos com qualidade cada vez maior. Após anos exaltando as virtudes da região do Priorato, Cannan decidiu investir em um vinhedo abandonado ao norte da cidade de Gratallops, e com a ajuda de Barbier replantou a propriedade de 10 hectares nos famosos solos licorella, compostos por ardósia e xisto, e responsáveis pela produção dos poderosos vinhos minerais que a região é famosa. A companhia cultiva as uvas Cabernet Sauvignon, Grenache, Carignan e Syrah.
Clos Figueras Serras del Priorat 2013 – elaborado com 60% Grenache, 10% Carignan e 30% Syrah, Mourvedre e Cabernet Sauvignon, vinhedos de 30 a 60 an0s, com amadurecimento de 14 meses em carvalho francês. Teor alcoólico de 15%. A coloração é de um rubi intenso e brilhante. Os aromas mostram frutas vermelhas,  notas de alcaçuz e um toque herbáceo. Na boca apresenta um bom corpo, com taninos firmes e bem integrados, acidez equilibrada e um leve toque adocicado e picante. Longo final frutado, com balsâmico se mostrando. Avaliação: 93/100 Pontos. Preço: R$230,21, na Mistral

 

 

 

Clos Erasmus nasceu por acaso, quando Daphne Glorian  fez uma visita à Priorato com seus amigos no final da década de 1980. Originalmente, embora tenha sido conquistada pela beleza natural da região, não tinha intenção de adquirir nenhuma videira. No entanto, após receber conselhos de Alvaro Palacios  e René Barbier sobre o potencial inexplorado da área, Daphne resolveu comprar algumas terras e cultivar as uvas Cabernet Sauvignon, Grenache e Syrah, complementando as velhas videiras de Grenache já existentes. Desde o início, ou seja, desde a fundação da vinícola em 1989, tem sido praticada a agricultura orgânica nas vinhas e desde 2004 têm sido usados métodos biodinâmicos. A vinícola produz alguns dos melhores vinhos do mundo, Clos Erasmus. Entre outras razões, a qualidade do vinho é devido à rigorosa seleção de uvas, e para isso veio apenas uvas inteiras são usados.

 

Clos i Terrasses Laurel 2013 – elaborado com Garnacha, Syrah, Cabernet Sauvignon, com amadurecimento de 21 meses em barris de carvalho francês em forma de cone onde o Clos Erasmus amadureceu anteriormente. Teor Alcoólico de15%. A coloração é de um rubi profundo, intenso e brilhante. Os aromas mostram frutas vermelhas confitadas, especiarias e toque mineral. Na boca as sensações do olfato se repetem, com taninos suaves e bem integrados, adstringência pontual e leve adocicado. Longo final frutado com o toque mineral se mostrando.  Avaliação: 90/100 Pontos. Preço: R$376,67, na Mistral

 

 

Publicado em: 22/06/2017

A degustação da Espanha na Confraria do Vinho de Rio Preto

 

 

A Confraria do Vinho de São José do Rio Preto realizou, na noite de ontem, a sua reunião do mês de junho , tendo por local o Restaurante Grand-Père, do Hotel Saint Paul. Presentes: Edilberto, Osvaldir, Lorga, Florêncio, Tognola, Edilberto Filho, Renato, Horácio e André, como novo integrante da confraria. A seleção da noite foi feita peloTognola, tendo na pauta Vinhos daEspanha, com caldos do Priorat e Mont Sant. Como aquecimento o Tognola trouxe o Manzanilla Herdade de Hidalgo. Vamos aos vinhos degustados, com as médias de avaliação e a classificação.

 

01 – Clos Morgador 2011 – Média  92/100 Pontos  –  1º. Lugar

 

02 – Laurel 2013 – Média 89/100 Pontos – 5º. Lugar

 

03 – Serras del Priorat 2013 – Média  92/100 – 1º. Lugar

 

04 -  Camins del Priorat 2015 – Média 91/100 Pontos – 3º. Lugar

 

05 – Plic, Plic, Plic 2015 – Média 90/100 Pontos –  4º. Lugar

 

A próxima reunião será festiva, no dia 19 de julho,sendo que cada confrade leverá um vinho de sua escolha

 

Publicado em: 19/06/2017

A seleção de junho do Bekaa Wine Club 90+

 

 

A seleção de junho do Bekaa Wine Club 90+ apresenta dois vinhos chilenos, oferecidos aos membros do clube a preços especiais,  com excelente custo/qualidade. Vamos aos vinhos

 

A Vinícola Terranoble foi fundada em 1993, por quatro empresários do Chile que decidiram realizar o sonho de criar uma adega focada em vinhos premium.  A vinha teve um marco histórico quando o ampelógrafo francês Jean Michel Boursiquot descobriu que grande parte do Merlot chileno pertencia à Carmenere extinta. Enquanto muitos voltaram à  Merlot, Terranoble decidiu aprender com esta estirpe, transformando-a  em sua atenção principal. Em 2003 e o alemão Lobo von Appen entrou para o grupo. Dividido entre os vales de Casablanca, Colchagua e Maule, as vinhas cobrem 450 hectares de terra. São elaborados vinhos nas linhas Classic, Reserva, Reserva Terroir, Gran Reserva e Alta Gama. Atualmente a produção de Carménere é a mais importante da Terranoble, sendo a única vinícola do Chile que vende mais Carménère do que Cabernet Sauvignon.

 

 Terranoble Gran Reserva Cabernet Sauvignon 2013 – elaborado com 90% Cabernet Sauvignon e  10% Carmenère, do Valle Colchagua, com amadurecimento de 10 meses em carvalho francês e mais um ano nas caves antes da comercialização. Teor Alcoólico de 14%. A coloração é de um púrpura intenso e brilhante. Os aromas mostram cassis, groselha, amora, menta, tabaco e especiarias finas. Na boca apresenta um bom corpo, com taninos ainda jovens, acidez equilibrada e leve adstringência. Bom final com o toque mentolado se mostrando. Avaliação: 90/100 Pontos. Preço: R$ 114,00, para os membros do Bekaa Wine Club 90+.

 

 

 

Caliterra foi criada em 1996 como uma parceria entre a família Robert G. Mondavi e Viña Errázuriz, que procurou realizar seu sonho compartilhado de produzir vinhos de alta qualidade que reflitam o potencial da natureza chilena, terroir e frutas.O Vale do Colchagua foi escolhido como a casa de Caliterra Estate. Localizado no coração do vale, a propriedade de aproximadamente 1.085 há. No início de 2004 Viña Errázuriz adquiriu a participação da família Robert Mondavi com o objetivo de elaborar vinhos premium amigas do ambiente de uma das mais importantes regiões vinícolas do mundo. São produzidas as linhas Reserva – Monovarietais, Tributo – vinhos oriundos de um único vinhedo, Edición Limitada e Cenit –o ícone da Vinícola Caliterra.

 

Caliterra Tributo Syrah 2012 – elaborado com 100% Syrahvinhas de 17 anos, com passagem de 12 meses em barricas de carvalho francês (17% novas). Teor Alcoólico de 14%. A coloração é de um  rubi concentrado, com halo violáceo e muito brilho. Os aromas mostram amora, amora, mírtilo, geléia de amora e framboesa , notas de tabaco e algo de chocolate e café. Na boca apresenta um bom corpo, repetindo o olfato, em meio a taninos macios e equilibrados com uma acidez pontual. Longo final com fruta e chocolate. Avaliação: 90/100 Pontos. Preço: R$ 96,00, para os membros do Bekaa Wine Club 90+.

 

Para participar dessa seleção mensal do Bekaa Wine Club 90+ é só contatar o wineclub@bekaa.com.br ou pelo  telefone (17)98111-5657. Vale a pena.

 

Publicado em: 19/06/2017

Luigi Bosca Merlot 2012

 

 

Luigi Bosca Merlot 2012 - elaborado com 100% Merlot , vinhedo Finca La España, com idade de 50 anos. Amadurecimento de de 8 meses em carvalho de primeiro uso. Os aromas mostram complexidade, com ameixa, framboesa, canela, chocolate e caixa de charuto. Na boca apresenta um bom corpo, com as frutas integradas aos taninos macios e umaacidez equilibrada. Um bom final com chocolate se mostrando. Avaliação: 90/100 Pontos.  Preço: R$ 117,00, na Decanter.

 

Publicado em: 19/06/2017

Templar Beau-Séant Merlot 2008

 

 

A vinícola Lovico é sucessora da primeira cooperativa vinícola dos Balcãs – e herdeira das vinhas mais velhas da região. Com o objetivo de construir uma vinícola, Marko Vachkov, em 1909, reuniu famílias de viticultores locais e enólogos às técnicas mais avançadas de vinicultura à época. Já nos anos 1920, a vinícola era líder do mercado na Bulgária. Nacionalizada em 1952, recebeu uma série de investimentos no período que se sucedeu e seguiu crescimento. Hoje, novamente privatizada, é a maior e mais renomada vinícola do país do Leste Europeu. A Vinícola Lovico Suhindol (região no norte da Bulgária, localizada na planície do Danúbio), possui cerca de 300 hectares de vinhedos próprios na região, dentre os quais se destacam as castas Cabernet Sauvignon, Merlot, Chardonnay, Mavrud, Syrah, Cabernet Franc, Muscat, Sauvignon Blanc, entre outras, bem como a Gamza - uma casta emblemática autóctone do país. É um dos principais exportadores de vinho da Bulgária, com história de exportações desde 1914 e destinos de exportação para mais de 40 países, nos 5 continentes. Sobre a coleção Templar: o ano de 1118 foi fundada uma congregação de monges guerreiros, que ficou conhecida posteriormente como a Ordem dos Cavaleiros Templários. Estes monges militares ficaram famosos pela grande quantidade de vinho que consumiam, o que deu origem ao provérbio francês "boire comme un templier" - em tradução literal: bebe como um templário! O vinho faz parte de uma coleção elaborada em homenagem a estes cavaleiros, e tem seu nome derivado do grito de guerra por eles empregado: Beau-Séant! 

 

Templar Beau-Séant Merlot 2008 – elaborado com 100% Merlot, com amadurecimento 12 meses em tonéis de carvalho e mais 12 meses em caves. Teor Alcoólico de 12%. A coloração é de um rubi intenso e brilhante. Os aromas mostram frutas vermelhas, pimentão,, cacau e especiarias finas. Na boca apresenta um bom corpo, com taninos finos e acidez delicada, repetindo as sensações do olfato, com um leve toque mineral, que se mantém no bom final. Avaliação: 90/100 Pontos. Preço: R$ 69,90, na Vinum Day. Um vinho de ótimo custo/qualidade.

 

Publicado em: 18/06/2017

Os vinhos da Viña Alicia do sábado na Bekaa

 

 

Uma degustação especial,  com os vinhos da vinícola argentina Viña Alicia , marcou este sábado na Bekaa. Sob o comando de Sérgio Musolino,  foram degustados vinhos oferecidos a preços especiais aos participantes, como tradicionalmente a Bekaa faz nas degustações do sábado. Vamos aos vinhos.

 

Viña Alicia é uma bodega que conjuga tradição viticultora de seus produtores, com uma localização privilegiada para conseguir vinhos de coleção. Em 1998, Alicia Mateu Arizu , esposa do reconhecido "enólogo" Alberto Arizu (alma mater da Luigi Bosca) , juntamente com o fiho caçula, Rodrigo Arizu ,iniciou a comercialização de vinhos que leva a seu nome. Foram mais de 25 anos de investigações e estudos para obter vinhos de excelência, que hoje são cultivados em dois vinhedos: Viña Alicia e St. Albert. Com características de  "chateau", a bodega Viña Alicia se encontra rodeada por un vinhedo de 10 hectares de uvas Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc, Merlot, Petit Verdot ,Nebbiolo, Grenache Noir, Carignan, Albariño e Savagnin. 

 

Paso de Piedra Malbec 2011 - elaborado com 100% Malbec, com amadurecimento de 6 meses em barricas de carvalho francês e americano de 2ª e 3ª passagem. Permanência mínima de 6 meses em cava antes da comercialização. Passou por leve filtração. Teor Alcoólico de 14,8%. A coloração é de um rubi luminoso, de média concentração. Os aromas mostram cereja, cassis, tabaco, grafite e chocolate amargo. Na boca apresenta um corpo médio, com taninos firmes, bem integrados ao frutado e acidez equilibrada. Leve toque salino, que permanece no bom final frutado. Avaliação: 89/100 Pontos. Preço: R$ 110,00.

 

Paso de Piedra Cabernet Sauvignon 2011  - elaborado com 100%de Cabernet Sauvignon , com amadurecimento de 8 meses em barricas de carvalho francês e americano de 2ª e 3ª passagem. Passou por leve filtração. Teor Alcoólico de 14,5%. A coloração é de um intenso rubi, com bordas violáceas. Os aromas  mostram muita fruta vermelha, licor de cassis,  pimenta, tostado leve e toques minerais. Na boca as sensações frutadas se repetem, com bom volume e um doce acentuado. Os taninos estão em equilíbrio e há boa integração com o álcool. Longo final, com toque de baunilha. Avaliação: 89/100 Pontos. Preço: R$ 110,00. 

 

Viña Alicia Morena 2008 – elaborado com 88% Cabernet Sauvignon (5 clones), 12% Cabernet Franc (2 clones) , de  Luján de Cuyo – Lulunta, San Alberto – 10 hectares de vinhedos com 40 anos de idade.  Amadurecimento de 14 meses em barricas novas de carvalho francês e permanência de 12 meses em garrafa antes de sair ao mercado. Teor Alcoólico de 13,8%. A coloração é de um rubi concentrado com halo purpúreo e muito brilho. Os aromas mostram intenso frutado, creme de cassis ,tabaco, especiarias finas, cedro e grafite. Na boca as sensações do olfato se repetem, com intenso frutado e taninos finos bem integrados e leve adstrigência. Um bom final frutado e leve mineral. Avaliação: 91/100 Pontos. Preço: R$120,00.

 

Viña Alicia Malbec 2009 – elaborado com 100% Malbec, vinhedo de 15 hectares, videiras com média de 80 anos de idade, em Las Compuertas, Luján de Cuyo. Amadurecimento de 12 meses em barricas de carvalho francês novas. Permanência de 12 meses em garrafa antes da comercialização. Teor Alcoólico de 14,5%.  A coloração é de um púrpura opaco. Os aromas mostram frutas vermelhas, ameixa em calda, alcaçuz, figo, chocolate e toque mineral. Na boca apresenta um bom corpo, repetindo as sensações do olfato, com taninos firmes e bem integrados. Bom final com chocolate se mostrando. Avaliação: 91/100 Pontos. Preço: R$ 211,00.

 

Viña Alicia Syrah 2008 – elaborado com 100% Syrah, 10 hectares de vinhedos com 40 anos de idade, em San Alberto, Lulunta, Luján de Cuyo. Amadurecimento de 9 meses em barricas novas de carvalho francês e 3 meses em barricas novas de carvalho americano. Permanência de 12 meses em garrafa antes de sair ao mercado. Teor Alcoólico de 14,5%.  A coloração é de um intenso rubi, com reflexos violáceos. Os aromas mostram amora, ameixa, cacau, especiarias doces, notas defumadas e minerais. Na boca apresenta um bom corpo, com taninos potentes integrados, acidez pontual, leve adocicado e toque mineral. Longo final com toque mineral e cacau se mostrando. Avaliação: 91/100 Pontos. Preço: R$211,00.

 

Viña Alicia Brote Negro 2009 – elaborado com 100% Malbec ‘Brote Negro’, uma raridade natural, detectada neste vinhedo muito antigo (mais de 80 anos) de uvas Malbec, em Las Compuertas, Luján de Cuyo. Fermentação com as leveduras naturais do vinhedo. Sem filtração. Amadurecimento de 16 meses em barricas de carvalho francês novas. Teor Alcoólico de 14,5%. A coloração é de púrpura intenso, de enorme consistência. Os aromas mostram frutas maduras (cereja, framboesa e ameixa), uva passificada, alcaçuz e toque floral. Na boca apresenta um grande corpo, com taninos riquíssimos e potentes, bem integrados ao frutado. Um longo final com muita fruta e alcaçuz. Avaliação: 93/100. Preço: R$335,00.

 

Publicado em: 04/06/2017

Os vinhos da Plansel do sábado na Bekaa

 

 

A tradicional degustação do sábado na Bekaa foi comandada pelo Edilberto e foram degustados vinhos da portuguesa Plansel, oferecidos com descontos especiais aos participantes do evento. Vamos aos vinhos degustados.

 

Jorge Böhm instalou-se no Alentejo em 1984. Realizou estudos das castas portuguesas em colaboração com a Universidade de Évora. A adega foi criada em 1997, quando Dorina Lindemann, filha de Jorge Böhm, enóloga licenciada pela Universidade de Geisenheim (Hessen), veio da Alemanha para Portugal com o marido e, aproveitando as vinhas já existentes ligadas ao programa de melhoramento técnico de seu pai, se dedicou à produção de vinho. Consequentemente, deu-se a expansão da adega de acordo com o crescimento dos viveiros do pai. Hoje em dia, Dorina e as duas filhas, Luísa e Júlia Lindemann, são umas apaixonadas pelo vinho das castas autóctones Portuguesas e pelo Alentejo. Após o falecimento do marido, Dorina procurou sociedade comercial com alguém de enorme competência e confiança. Nasceu, então, uma parceria com Karl Heinz Stock, um prestigiado empresário seu compatriota.

 

Marquês de Montemor Rosé 2015 - elaborado com Alfrocheiro e Aragonez. Teor Alcoólico de 12%. A coloração é de um salmão, com ótimo brilho. Os aromas apresentam frutas frescas (framboesa, morango, ameixa clara) muito intensas. Na boca mostra-se leve, suave, com acidez equilibrada e o frutado se repetindo. A fruta se mantém no final. Avaliação: 87/100 Pontos. Preço: R$60,80.

 

Marques de Montemor 2015 - elaborado com 50% Aragonez, 30% Trincadeira e 20% Touriga Nacional, sem passagem por carvalho. Teor Alcoólico de 14%. A coloração é de um rubi intenso, com halos violáceos. Os aromas mostram  framboesa, morango em caldas, ameixa e toue de pimenta. Na boca apresenta-se  bem equilibrado, com taninos macios e bem integrados às frutas, com  boa acidez. Um médio final frutado. Avaliação: 88/100 Pontos. Preço: R$ 60,80.

 

Plansel Touriga Nacional 2013 - foi elaborado com 100%Touriga Nacional, com amadurecimento de 10 meses em barricas de carvalho francês. Teor Alcoólico de 14,5%. A coloração é de um vermelho  púrpura intenso e com muito brilho. Os aromas mostram frutas silvestres maduras, tabaco, chocolate e leve floral. Na boca apresenta um bom corpo, com taninos equilibrados e bem integrados ao frutado, leve adstrigência. Longo final com o chocolate se mostrando. Avaliação: 90/100 Pontos. Preço: R$ 180,80.

 

Dorina Lindmann Privado 2013 – elaborado com Touriga Franca e Tinta Barroca, com amadurecimento de 9 meses em barricas francesas novas. Teor Alcoólico de 14%. A coloração é de um granada intenso e brilhante. Os aromas mostram cassis, amora, ameixa e toques de chocolate. Na boca apresenta um bom corpo, com taninos firmes, bem integrados ao frutado, acidez equilibrada e leve adstringência. Bom final frutado com o chocolate se mostrando. Avaliação: 89/100 Pontos. Preço: R$88,80.

 

Plansel Selecta Grande Escolha 2013 – Elaborado com as castas Touriga Franca, Touriga Nacional e Tinta Barroca, com passagem de 24 meses em barricas de carvalho francês. Teor Alcoólico de 15%. A coloração é de um rubi intenso, com halos violáceos e muito brilho. Os aromas são complexos, intensamente frutados, com especiarias, leve floral e marcante tostado. Na boca apresenta-se encorpado, com taninos suaves e equilibrados. As características do olfato se repetem especialmente as notas florais. Um longo final com tostado. Avaliação: 92/100 Pontos. Preço: R$ 278,40.

 

Dorina Lindemann Limited Edition 2013 - foi elaborado com as castas Touriga Nacional e Alicante Bouschet, com passagem de 12 meses em carvalho francês. A coloração é de um púrpura  intenso e brilhante. Os aromas mostram frutas vermelhas, chocolate, leve especiarias e toque floral. Na boca apresenta-se com bom corpo, taninos equilibrados, toque de acidez e um floral que se mantém no longo final. Avaliação:  91/100 Pontos. Preço: R$219,20.

 

Publicado em: 02/06/2017

A noite especial da Viña Terranoble

 

 

Na noite de ontem ocorreu o evento Especial Viña Terranoble, numa promoção da Enoteca Decanter Rio Preto, em parceria com o restaurante K Bistrô. Sérgio e Sabrina Musolino comandaram o evento, que teve a presença  de Gonzalo Badilla, Diretor Comercial da empresa, que fez a apresentação dos vinhos. Foram degustados 5 vinhos, harmonizados com um cardápio especial, que incluiu Gratin de bacalhau com alho poró e Tartar de atum com guacamole, como Entrada; Risoto de filé com shitake, Pappardelle artesenal com ragu de cordeiro, Lombo de porco com purê de mandioca e Lombo de bacalhau ao forno, como Pratos Principais e Mousse de  chocolate com raspas de chocolate e laranja, como Sobremesa.

 

A Vinícola Terranoble foi fundada em 1993, por quatro empresários do Chile que decidiram realizar o sonho de criar uma adega focada em vinhos premium. Com o compromisso de desenvolver uma excelência  em Sauvignon Blanc e Merlot, instalou-se no melhor lugar para essas variedades: Vale do Maule. A vinha teve um marco histórico quando o ampelografo francês Jean Michel Boursiquot descobriu que grande parte do Merlot chileno pertencia à Carmenere extinta. Enquanto muitos voltaram à  Merlot, Terranoble decidiu aprender com esta estirpe, transformando-a  em sua atenção principal. Em 2003 e o alemão Lobo von Appenentrou mpara o grupo. Dividido entre os vales de Casablanca, Colchagua e Maule, as vinhas cobrem 450 hectares de terra, todos escolhidos considerando as diversas necessidades de cada uma das variedades. Assim, tem-se as melhores condições de clima e solo necessárias para produzir vinhos equilibrados, com grande concentração de aromas e sabores, possuindo um estilo moderno e de qualidade. São elaborados vinhos nas linhas Classic, Reserva, Reserva Terroir, Gran Reserva e Alta Gama. Atualmente a produção de Carménere é a mais importante da Terranoble, sendo a única vinícola do Chile que vende mais Carménère do que Cabernet Sauvignon.

 

Vamos aos vinhos degustados.

 

Terranoble Chardonnay Reserva Terroir 2015 –elaborado com 100% de Chardonnay, do vinhedo de El Algarrobo de Casablanca, sendo que metade das uvas foi desengaçada, ligeiramente prensada e esfriada antes da prensagem final. Na outra metade, os cachos foram prensados inteiros. Cada lote foi fermentado à 15ºC, sendo que 50% do vinho foi fermentado em carvalho francês por 6 meses.  Teor Alcoólico de 13,5%. A coloração é de um dourado médio e  brilhante. Os aromas mostram  frutas de polpa branca, abacaxi compotado, manteiga e especiarias doces. Na boca apresenta untuosidade, acidez na medida, confirmando a fruta do olfato e algo mineral. Delicado final amendoado. Avaliação: 89/100 Pontos. Preço: R$ 92,80.

 

Terranoble Carmenère Costa CA2 2012 - elaborado com 100% Carmenère , proveniente de vinhedos localizados na Cordilheira da Costa, nas bordas do Valle Colchagua, a 30 km. do mar, sofrendo  enorme influência marinha. Amadurecimento de 10 meses em barricas novas de carvalho francês e americano. Teor Alcoólico de 14%. A coloração é de  um rubi intenso, com muito brilho e transparência. Os aromas mostram muita fruta  (amora, ameixa, goiaba) especiarias, leve toque de baunilha e madeira tostada. Na boca apresenta um corpo volumoso, com boa acidez e taninos redondos, bem integrado ao frutado, leve adocicado,  com chocolate, que se mantém no longo final. Avaliação: 90/100 Pontos.  Preço: R$ 151,20.

 

Terranoble Reserva Terroir Pinot Noir 2013 – elaborado com 100% Pinot Noir, do vinhedo de El Algarrobo de Casablanca, passando por maceração sem remuage,  com amadurecimento de 6 meses em barricas novas de carvalho francês. Teor Alcoólico de 13,5%. A coloração é de um rubi médio, com halos granada. Os aromas mostram  cereja, framboesa, morango, sutil carvalho e algo terroso. Na boca apresenta um corpo médio, taninos sedosos, repetindo o frutado do olfato, com acidez equilibrada. Longo final frutado com o toque terroso se mostrando. Avaliação: 90/100 Pontos.  Preço: R$118,40.

 

Terranoble Gran Reserva Merlot 2012 – elaborado com85% Merlot (primeiro vinho da vinícola), 8% Cabernet Sauvignon e 7% Carménère, vinhedos do Maule, vinhedos de 25/30 anos , com 12 meses em barricas de carvalho de 1/2/3. Teor Alcoólico de 13,5%. A coloração é de um rubi violáceo brilhante. Os aromas mostram ameixa, framboesa, chocolate, menta, cravo e algo de tostado. Na boca apresenta um bom corpo, com taninos firmes e bem integrados, acidez equilibrada, repetindo as sensações do olfato. Longo final frutado com o tostado se mostrando. Avaliação: 91/100 Pontos.  Preço: R$135,20.

 

Terranoble Late Harvest Riesling 2015 – elaborado com 100% Riesling, do vinhedo de El Algarrobo de Casablanca, com colheita tardia de uvas botrytisadas. Amadurecimento de 9 meses em barricas de carvalho (novas e usadas). Teor Alcoólico de 12,5%. A coloração é de um dourado intenso e brilhante. Os aromas mostram aromas florais, frutas cítricas e frutas passificadas. Na boca apresenta um bom corpo, marcante acidez e excelente doçura. Longo final, com algo de fumado se mostrando. Avaliação: 89/100 Pontos.  Preço: R$ 52,80 (375 ml.).

 

Publicado em: 29/05/2017

A seleção de maio do Bekaa Wine Club

 

 

A seleção de maio do Bekaa Wine Club apresenta um vinho argentino, um vinho italiano e um vinho português, oferecidos aos membros do clube a preços especiais,  com excelentes custo/qualidade. Vamos aos vinhos.

 

 

 

Finca Las Moras, pertencente ao Grupo Peñaflor,  é uma vinícola pioneira dedicada à elaboração de vinhos de alta qualidade em San Juan desde a reestruturação das vinhas em 1993. Os vinhedos estão rodeados por amoreiras e daí o nome para a adega. Finca Las Moras, com mais de 1.100 hectares de vinhedos plantados em diferentes vales, está focada em sustentabilidade, com continua inovação , nas micro regiões de exploração, contribuindo com a complexidade e elegância que o impacto na fruta em cada uma das suas linhas de vinhos.

 

Las Moras Reserva Tannat 2015 -  elaborado com 100% Tannat, do vale do Tulum, com amadurecimento de 12 meses em barricas de carvalho francês e americano. Teor Alcóolico de 13,5%. A coloração é de um rubi concentrado, com borda violácea. Os aromas mostram  cereja, amora, cassis, chocolate, menta e toques de baunilha. Na boca apresenta um bom corpo, com taninos firmes e finos, bem integrados ao frutado, leve rascância e adstringência. Bom final frutado com o toque de menta se mostrando. Avaliação: 88/100 Pontos. PreçoR$47,00, aos membros do Bekaa Wine Club.

 

 

 

A Vinícola Manzwine, localizada na Vila de Cheleiros distrito de Setúbal a 20 minutos de Lisboa, é propriedade do brasileiro André Manz, ex-jogador de futebol que  ao mudar-se para esta localidade em 2004, queria apenas fazer um vinho para consumo da família, pois era um apreciador da bebida.A descoberta de uma uva branca chamada Jampal, praticamente extinta em Portugal, fez com que André  decidisse produzir um vinho com esta casta. O resultado foi surpreendente: o seu vinho era diferente de tudo o que se havia provado até então, constituindo uma oportunidade de negócio inesperada e o mote para a produção de outras castas portuguesas tintas mais antigas, assim como para a exploração de vinhas nas regiões nobres do Alto Douro e Palmela. Hoje a Manzwine é produtora de seis tipos de vinhos em Lisboa, Peninsula de Setubal e Douro.

 

Manz Penedo do Lexim 2015 – elaborado com Aragonez e Touriga Nacional, com amadurecimento em tanques de inox. Teor Alcoólico de 13,5%. A coloração é de um granada brilhante com nuances violáceos. Os aromas mostram frutas pretas, frutas vermelhas e algo de floral. Na boca apresenta-se leve, com textura sedosa, taninos finos e boa acidez. Bom final frutado com o toque floral se mostrando. Avaliação: 88/100 Pontos. PreçoR$48,00, aos membros do Bekaa Wine Club.

 

 

 

A Companhia Contri Spumanti representa hoje uma das empresas mais importantes na cena do vinho e vinhos espumantes, italianos e internacionais. Está localizada no Cazzano di Tramigna, na  pequena cidade de Val Tramigna. A história da empresa está intimamente ligada à de seu fundador Luciano Contri, nascido em 1938, em Cazzano di Tramigna, de uma família que sempre esteve no comércio do vinho. Aos 18 anos já transportava o produto para os clientes. Em 1959 fundou a sociedade unipessoal Luciano Contri, que em 1980 seria transformada em Contri Spumanti SpA, mantendo-se o envolvimento total da família. No mesmo ano começou a produção de vinhos e espumantes naturalmente fermentado (método Charmat). Hoje produzem 15 marcas, sendo que na linha Terre dell’Isola elaboram Grillo, Vermentino, Cannonau, Nero d’Avola e Syrah.

 

Terre dell’Isola Cannonau di Sardegna 2013 – elaborado com 100% Connonau, com passagem por tanques de cimento. Teor Alcoólico de 13,5%. A coloração é de um granada médio e brilhante. Os aromas mostram ameixa, figo maduro,  frutas secas, algo floral, toques picantes e alcaçuz. Na boca apresenta bom corpo, com taninos presentes e leve amargor. Acidez equilibrada. Bom final frutado com o alcaçuz se mostrando. Avaliação: 89/100 Pontos. PreçoR$55,00, aos membros do Bekaa Wine Club.



Per Bacco. Todos os direitos reservados.2017