Região:

min

max

Anuncie aqui

Cérebro e intestino: entenda esse eixo essencial

Por Roberta Lara
(Atualizado em 22/07/2022 - 9h00)
Compartilhar

Hoje, 22 de julho, é o Dia Mundial do Cérebro. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), pelo menos um bilhão de pessoas no mundo convivem com algum tipo de doença neurológica ou distúrbio de saúde mental, como depressão e transtornos de ansiedade.

A saúde e o estado neuropsiquiátrico se moldam por alguns fatores extrínsecos e intrínsecos, como hábitos de vida, comportamento alimentar, excesso de estresse e ingestão de medicamentos. Em termos de estilo de vida, estes exercem uma forte influência na microbiota intestinal e no eixo interligado com o cérebro, portanto existe uma completa relação entre a patogênese multifatorial de transtornos psiquiátricos, genética, inflamação e desequilíbrio de neurotransmissores, principalmente quando se tem um intestino desregulado.

Uma recente revisão bibliográfica na literatura (Miltrea et al., 2022) mostrou por meio de análises de evidências que o microbioma intestinal tem um papel fundamental em influenciar o desenvolvimento e a função do sistema nervoso. Isso por meio de sua interação com o eixo intestino-cérebro. A bioquímica por trás da interconexão entre o o sistema nervoso central e sistema nervoso entérico abrange circuitos neuronais que transportam moléculas de sinalização e resposta a uma possível ameaça patogênica, produção e liberação de hormônios intestinais, metabolismo de aminoácidos e biossíntese de ácidos graxos de cadeia curta (SCFA). Tais mecanismos são citados como os principais responsáveis ​​pela homeostase da saúde mental.

A microbiota intestinal se comunica com o sistema nervoso e biossintetiza neurotransmissores, influenciando a saúde neurológica. Os microrganismos encontrados na microbiota também são responsáveis ​​pelo comportamento humano, estado de humor e emoções. Assim, é possível dizer que existe uma forte correlação entre a disbiose intestinal, ou seja, desequilíbrio das bactérias boas no intestino e a incidência de doenças neurodegenerativas e mentais.

No caso da depressão, condição que cresce cada vez mais no mundo todo, o intestino é foco principal que deve ser tratado, uma vez que ele é o órgão sintetizador de serotonina, o neurotrnasmissor da felicidade e do humor positivo. Modular o intestino é cuidar diretamente da saúde da mente!

 

Referência

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC9009523/?report=classic