Região:

min

max

Anuncie aqui

A importância e os benefícios de melhorar a flexibilidade

Por Mariana Dias
(Atualizado em 07/07/2022 - 14h46)
Compartilhar

Eu não sou uma pessoa naturalmente flexível. Hoje eu amo fazer exercícios de alongamento e consegui com bastante treino melhorar a minha flexibilidade, mas nem sempre foi assim.

Essa vontade e necessidade de ser mais flexível veio quando comecei a fazer ballet e circo, pois ser flexível ajuda muito a realizar os movimentos que essas práticas exigem. Não é um trabalho fácil melhorar a flexibilidade, ainda mais depois de adulto, mas é bem importante para todos.

A flexibilidade é a capacidade que as nossas articulações têm de atingir um certo grau de amplitude. Diversos fatores interferem em quanto alguém é flexível, como a idade, sexo, hereditariedade. Apesar de ter um fator genético, a nossa flexibilidade pode ser trabalhada e melhorar muito.

Engana-se quem pensa que buscar melhorar a flexibilidade só é importante para quem pratica atividades físicas. Diariamente precisamos alongar nossos músculos em tarefas corriqueiras, como alcançar objetos, realizar tarefas domésticas, brincar com crianças e animais, entre outras atividades. E várias pessoas acabam se machucando justamente realizando essas funções mais simples.

Realizar exercícios de flexibilidade traz diversos benefícios, como aliviar a tensão muscular, ajudando a relaxar e aliviar o estresse, melhora a postura, melhora a percepção corporal e pode trazer melhores resultados na prática da maioria das atividades físicas, pois aumenta a amplitude muscular.

Há três diferentes formas de praticar:

  • alongamento estático: realizado com o corpo em repouso, de forma lenta, intencional e progressiva, mantendo o alongamento por um tempo longo
  • alongamento dinâmico: onde são realizados movimentos de partes do corpo de forma repetitiva, aumentando aos poucos a amplitude e a velocidade
  • alongamento por facilitação neuromuscular proprioceptiva: usado para reabilitar pacientes que perderam algum movimento, aplicando a resistência manual para estimular os receptores neurais do músculo.

Seja qual for a forma escolhida, os exercícios de alongamento devem ser feitos com bastante cuidado e sempre com o corpo aquecido. Pode ser com uma caminhada ou até com exercícios de alongamentos dinâmicos mais leves.

Após o corpo aquecido, deve se iniciar os exercícios de forma lenta, prestando atenção na respiração, respeitando os seus limites e buscando melhorar aos poucos para não se machucar.

Após algum tempo a tendência é que os músculos e tendões relaxem e cedam um pouco, por isso, como em todos os exercícios, é preciso ter paciência. E para quem não está acostumado a se alongar, é importante contar com um profissional de educação física para auxiliar, pois é fácil se machucar querendo alongar além do seu limite e isso só trará prejuízos. Após uma lesão você precisará de um tempo para se recuperar o que poderá fazer com que os ganhos já obtidos sejam perdidos ou diminuídos.

Com o tempo, um bom treino e dedicação, os resultados virão e os ganhos em flexibilidade melhorarão muito sua qualidade de vida!