Região:

min

max

Anuncie aqui

Boletim Econômico: 19 de abril de 2022

Confira o resumo do mercado financeiro

Por Reinaldo Cafeo
(Atualizado em 19/04/2022 - 15h09)
Compartilhar

Dados de fechamento em 18/04/2022 (segunda-feira):

 

Ibovespa: queda 0,43% aos 115.687 pontos.

Dólar Comercial de Venda: queda de 1,02% a R$ 4,648 .

 

Mercado Cambial:

O dólar fechou no primeiro dia da semana, em baixa de 1,02%, a R$ 4,6482. Ao longo do dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 4,6472 e a máxima de R$ 4,7088.

Segunda-feira (18): -1,02%, a R$ 4,6482. Semana: -1,02%

 

Mercado Acionário:

Na volta do feriado prolongado, o Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira, acompanhou o exterior e fechou em baixa. Papéis da Vale e da Petrobras tiveram queda, mesmo com a valorização do minério de ferro e do petróleo nos mercados internacionais. A queda na cotação do dólar foi o principal motivo.

 

As bolsas americanas fecharam em leve queda, com o início de uma grande semana de divulgação de balanços e com a expectativa da divulgação do Livro Bege na próxima quarta-feira.

Segunda-feira (18): -1,02% (115.687 pontos);

Semana: -1,02%.

 

Principais fatos que impactaram o mercado:

O governo federal apresentou nesta segunda-feira (18) o projeto da LDO (Lei de Diretrizes Orçamentária) com previsão de déficit fiscal de R$ 65,9 bilhões para o ano de 2023. De acordo com os dados estimados pela Secretaria Especial do Tesouro e Orçamento, o déficit deve ser reduzido para R$ 27,9 bilhões em 2024 e o Brasil só voltará a ter superávit fiscal em 2025, no valor de R$ 33,7 bilhões.

A proposta inicial da LDO prevê um aumento do salário mínimo para R$ 1.294,00, reajuste nominal de 6,77% em relação ao valor atual, de R$ 1.212,00. O índice proposto é menor que as estimativas de inflação, em torno de 8,5%.

A FGV divulgou a prévia da inflação deste mês, o IGP-10 (Índice Geral de Preços-10) que subiu 2,48% em abril, um avanço em relação ao mês anterior, quando o índice tinha registrado alta de 1,18%. Com esse resultado, o IGP-10 acumula alta de 7,63% no ano e de 15,65% nos últimos 12 meses.

Já o IBGE divulgou o IPC-S da segunda quadrissemana de abril de 2022 subiu 1,84% e acumula alta de 11,45% nos últimos 12 meses. O índice, um dos medidores mais ágeis da inflação no país, foi divulgado nesta segunda-feira (18) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV-Ibre).

No cenário internacional, a semana começa com uma série de indicadores chineses. O PIB (Produto Interno Bruto) chinês do primeiro trimestre cresceu 4,8% na comparação anual e superou a previsão de 4,6%. No entanto, segue abaixo da meta oficial para o ano, que é de 5,5%.

As vendas no varejo caíram 3,5% em março, pior que a projeção de 2%. E a produção industrial avançou 5% em março, na base anualizada, em linha com o esperado pelo mercado. Os dados ainda não capturaram totalmente as novas paralisações por conta da política de Covid zero do país, que impôs novos lockdowns.

Tesouro e Orçamento, o déficit deve ser reduzido para R$ 27,9 bilhões em 2024 e o Brasil só voltará a ter superávit fiscal em 2025, no valor de R$ 33,7 bilhões. A proposta inicial da LDO prevê um aumento do salário mínimo para R$ 1.294,00, reajuste nominal de 6,77% em relação ao valor atual, de R$ 1.212,00. O índice proposto é menor que as estimativas de inflação, em torno de 8,5%.

A FGV divulgou a prévia da inflação deste mês, o IGP-10 (Índice Geral de Preços-10) que subiu 2,48% em abril, um avanço em relação ao mês anterior, quando o índice tinha registrado alta de 1,18%. Com esse resultado, o IGP-10 acumula alta de 7,63% no ano e de 15,65% nos últimos 12 meses.

Já o IBGE divulgou o IPC-S da segunda quadrissemana de abril de 2022 subiu 1,84% e acumula alta de 11,45% nos últimos 12 meses. O índice, um dos medidores mais ágeis da inflação no país, foi divulgado nesta segunda-feira (18) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV-Ibre).

No cenário internacional, a semana começa com uma série de indicadores chineses. O PIB (Produto Interno Bruto) chinês do primeiro trimestre cresceu 4,8% na comparação anual e superou a previsão de 4,6%. No entanto, segue abaixo da meta oficial para o ano, que é de 5,5%.

As vendas no varejo caíram 3,5% em março, pior que a projeção de 2%. E a produção industrial avançou 5% em março, na base anualizada, em linha com o esperado pelo mercado. Os dados ainda não capturaram totalmente as novas paralisações por conta da política de Covid zero do país, que impôs novos lockdowns.

Nos EUA, a agenda da semana também é fraca, com destaque para o Livro Bege, com balanço de atividade nos EUA. E para os discursos dos “Fed boys”, que devem confirmar as expectativas para alta de 0,5 ponto porcentual nos juros no dia 4 de maio.

 

Principais eventos e indicadores (semana de 18/04 a 22/04):

– Hoje, terça-feira (19):  Estoque de Petróleo (EUA);

– Quarta-feira (20): Livro Bege (EUA). Receita Tributária Federal (BRA);

– Quinta-feira (21): Feriado no Brasil: Tiradentes (BRA). Pedidos de Auxílio Desemprego (EUA);

– Sexta-feira (22): PMI Industrial (EUA).

 

 

 

 

Os comentários estão desativados.