Região:

min

max

Anuncie aqui

Boletim Econômico: 24 de junho de 2022

Confira o resumo do mercado financeiro

Por Reinaldo Cafeo
(Atualizado em 24/06/2022 - 7h42)
Compartilhar

Dados de fechamento em 23/06/2022 (quinta-feira)

 

Ibovespa: queda de 1,45% aos 98.080 pontos.

Dólar Comercial de Venda: alta de 1,02% a R$ 5,2298.

 

Mercado Cambial:

Abaixo a cotação de fechamento diário do Dólar comercial de venda:

  • Segunda-feira (20): +0,81%, a R$ 5,1862
  • Terça-feira (21): -0,63%, a R$ 5,1537
  • Quarta-feira (22): +0,45%, a R$ 5,1771
  • Quinta-feira (23): +1,02%, a R$ 5,2298
  • Semana: +1,65%

 

Mercado Acionário:

Confira a evolução do Ibovespa na semana, em cada fechamento de sessão:

  • Segunda-feira (20): +0,03% aos 99.852 pontos
  • Terça-feira (21): -0,17% aos 99.684 pontos
  • Quarta-feira (22): -0,16% aos 99.552 pontos
  • Quinta-feira (23): -1,45% aos 98.080 pontos

 

Cenário:

O Ibovespa fechou em queda de 1,45% aos 98.080 pontos, após operar no positivo na parte da manhã. Ao longo do pregão, o índice oscilou entre 97.775 pontos e 100.231 pontos. O volume financeiro foi de R$ 24,6 bilhões.

Em mais um dia de agenda esvaziada, novamente as atenções se voltam para a Petrobras e a crise instalada pela política de preços da empresa, que segue a Política de Preços Internacional (PPI), mas vem sofrendo pressão por mudanças em tempos de inflação alta e eleições à vista. Hoje, o conselho da empresa deve aprovar o nome de Caio Paes de Andrade à presidência. Paralelamente, o Congresso segue com o propósito de abrir de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), além de cogitar alterações na Lei das Estatais.

A novidade ficou por conta da proposta de aumentar o possível voucher do diesel aos caminhoneiros, que saltou de R$ 400 para R$ 1 mil. Ainda assim, não satisfez: o que os caminhoneiros buscam é a certeza do fim da paridade internacional.

Ontem o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, falou sobre política monetária, em coletiva de imprensa transmitida no canal do Youtube do Banco Central. O Banco Central (BC) projeta alta do Produto Interno Bruto (PIB) em 2022 em 1,7%, ante 1% projetado anteriormente. Entretanto, segundo a autoridade monetária, a incerteza e o risco fiscal ainda pairam no radar do banco.

Em se tratando da Selic, o diretor de Política Econômica do BC, Diogo Guillen, avalia que o ciclo que elevou a taxa básica de juros da economia, a Selic, de 2% ao ano para 13,25% ao ano no período de um ano e meio, é um fator que vai limitar o desempenho futuro do PIB. Ele também disse que a hipótese de que a Selic não vai se alterar até 2024 é uma hipótese forte, e acrescentou que grande parte do aperto monetário ainda vai ser sentido, tanto na inflação, quanto no crescimento. “Então, nós esperamos uma desaceleração da atividade nos próximos trimestres”, frisou.

O mercado projeta uma última alta de 0,25 ou 0,50 p.p. da Selic na reunião de 2 e 3 de agosto. Na ata da última reunião do Copom, os membros do comitê deixaram claro que a expectativa deve ser por alta de “igual ou menor magnitude” do que a de 0,5 p.p. do último dia 15.

O Índice de Preço ao Consumidor – Semanal (IPC-S) mostra que a inflação subiu 0,76% na terceira quadrissemana de junho. O levantamento é da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Neste patamar, a inflação acumula alta de 10,41% nos últimos 12 meses. Nesta apuração, sete das oito classes de despesa componentes do índice registraram decréscimo em suas taxas de variação.

No cenário internacional, o departamento de trabalho dos Estados Unidos informou 229 mil pedidos de auxílio-desemprego na semana, até 18 de junho. A estimativa era de 231, ou seja, abaixo do consenso. Os dados foram divulgados na manhã desta quinta-feira (23) e apontam que o nível da semana anterior foi revisado para cima em 2 mil, de 229 mil para 231 mil.

Destaque nesta quinta ficou para os Índices dos Gerentes de Compras (PMIs) industrial, de serviços e composto de zona do euro e EUA, com sinalizações sobre o recuo da atividade econômica. Nos EUA, o PMI composto ficou em 51,2, de 53,6 da leitura anterior. O PMI industrial foi de 52,4 pontos, ante leitura prévia de 57 e projeção de 56. E o de serviços foi de 51,6 pontos, ante 53,4 anterior e 53,5 de projeção.

Na zona do euro, o PMI industrial ficou em 52 pontos, ante leitura prévia de 54,6 e projeção de 53,9. O PMI de serviços ficou em 52,8 pontos, também com redução ante a prévia (56,1) e abaixo da expectativa (55,5). O PMI composto (que une indústria e serviços), ficou em 51,9, ante 54,8 prévios e 54 de projeção. PMIs acima de 50 indicam crescimento da atividade, enquanto leituras abaixo indicam retração.

Jerome Powell, presidente do Fed dos EUA, falou novamente ao Congresso, desta vez à Câmara, e repetiu o discurso que deu na quarta-feira (22) ao Senado. Ele voltou a falar que uma série de altas de juros será necessária para conter a inflação, sem, no entanto, se comprometer com passos de 0,5 ou 0,75 ponto porcentual, como o mercado esperava ouvir. Ele disse que será necessário o Fed alcançar uma política restritiva para desacelerar a economia e controlar os preços, elevando os juros para além do nível neutro – que seria de 2,5%.

No último dia 15, o Fed promoveu a maior alta de juros desde 1994, de 0,75 ponto porcentual, para conter a maior inflação em 40 anos. E os investidores seguem atentos a sinais das próximas movimentações do banco central americano.

 

Principais eventos e indicadores:

– Sexta-feira (24): Confiança do Consumidor (BRA). IPCA-15 (BRA). Transações Correntes (BRA). Fluxo Cambial (BRA). Expectativa de Inflação (EUA).

 

Fontes: infomoney, queroinvestir, investing, start.