Região:

min

max

Anuncie aqui

Um novo Foodservice para um novo consumidor

A ampliação do número de dark kitchens, ghost kitchens e cloud kitchens é uma tendência para o biênio 22/23 assim como novos formatos híbridos

Por Victor Trujillo
(Atualizado em 14/06/2022 - 7h01)
Compartilhar

Nesta semana vamos falar sobre as tendências para o mercado de alimentação preparada fora de casa, o chamado mercado Foodservice que inclui as redes de fast food, restaurantes, padarias, lanchonetes, cafeterias, food trucks, hotéis, hospitais, cantinas escolares, cozinhas industriais, catering, rotisseries e muitos outros formatos.

O Foodservice também sofreu com o abre e fecha durante a pandemia. Cerca de um terço dos estabelecimentos fechou. O estrago só não foi maior porque os operadores agiram rápido e ajustaram cardápios e operações para o Delivery.

A pandemia forjou novos gestores no Foodservice: mais focados nas necessidades dos clientes, mais ágeis e ousados. O resultado começa a aparecer agora e trará mudanças importantes para os próximos anos. E o crescimento de dois dígitos que andou sumido nos últimos dois anos parece que confirmou presença.

Aprendi com um operador numa pesquisa qualitativa recente que “os clientes são as mesmas pessoas, mas não são os mesmos”. Observação genial de quem tem intimidade com a clientela – a principal competência para tomar decisões acertadas de Marketing (leia: Sextou, bebê. Receba!).

A pandemia trouxe o “novo normal” (com o home office e a educação a distância que mudaram a rotina de muitas famílias) que pressionou a ampliação do Takeaway, Delivery, To-go e Click & Collect. Os aplicativos de entrega puxaram a fila dos investimentos em tecnologia atrás do balcão. Os operadores se profissionalizaram e estão prontos para a mudança de fase na logística, que vai revolucionar o setor.

Vem aí mais tecnologia nos estabelecimentos (leia: A Indústria virou varejo. E o varejo, “figital”) entregas com drones, mais opções de ingredientes, tamanho das porções, temperos e muito mais.

A ampliação do número de dark kitchens, ghost kitchens e cloud kitchens é uma tendência para o biênio 22/23 assim como novos formatos híbridos em lojas de conveniência, atacarejos e hipermercados.

Do outro lado do balcão, o consumidor – que viu as compras de supermercado ficarem mais caras do que a comida preparada fora do lar – está mais seletivo, mais atento ao que é saudável, sustentável e por que não, plant based.

A inflação fez despertar nos consumidores a atenção ao valor (leia: Caro é o que não vale) e com ela, oportunidades para estabelecimentos que oferecem experiências memoráveis (leia: O fim do Shopping Center como o conhecemos).

No novo Foodservice (aquele que vai crescer dois dígitos novamente) não há espaço para serviço demorado, preço errado, gordura trans, canudos de plástico e desperdício de água tratada. A eficiência operacional (maior produtividade com menor custo), sustentabilidade, transparência, máxima conveniência e ótima experiência aos consumidores configuram o novo standard para restaurantes, lanchonetes e padarias que quiserem conquistar os novos consumidores. Sem perder de vista que estes consumidores agora desejam uma experiência completa. E esta experiência completa começa bem antes da visita ao estabelecimento e termina muito depois.

E você, quer ver o faturamento do seu estabelecimento Foodservice crescer percentualmente dois dígitos nos próximos doze meses?

Ótima semana 24 pra você!