Região:

min

max

Anuncie aqui

Carros sem documentação são vendidos como pechinchas

Existe uma infinidade de grupos de WhatsApp e Facebook especializados em vender os chamados “carros só pra rodar”. Veículos com dívidas impagáveis, vendidos por valores irrisórios

Por Rubens Maximiano
(Atualizado em 31/08/2022 - 16h29)
Compartilhar

Você sabia que existe um mercado enorme de compra e venda de veículos sem documento. São conhecidos como “carros só pra rodar”. Aqueles casos em que o sujeito não tinha dinheiro para pagar o IPVA. Daí o licenciamento também não foi feito, porque só pode ser realizado com IPVA em dia. No ano seguinte os débitos ficaram maiores ainda. E quando percebeu a conta ficou impagável.

Então o sujeito vai se acostumando a rodar com o carro sem documento, fugindo dos locais onde habitualmente são realizados bloqueios. Até que um dia a mulher fala: ”você ainda vai acabar sendo preso por conta desse carro”.

A bronca da mulher dá resultado e ele decide, então, se desfazer do veículo.

O problema é vender um carro cheio de dívidas. Afinal, ninguém quer comprar um veículo sem documento. Só que não! Existe uma infinidade de grupos de WhatsApp e Facebook especializados em vender os chamados “carros só pra rodar”. E o negócio é segmentado por cidades, bairros, tudo organizadinho. Muitos estão em modo público, na maior cara de pau. Tipo uma “OLX de carros sem documento e até roubados”.

Obviamente tanto quem vende, quanto quem compra, sabe que tipo de produto estão negociando. Muitos desses veículos têm dívidas maiores que o próprio valor do carro. Por isso, obviamente, são vendidos por valores irrisórios. Tipo um carro avaliado em R$ 50 mil pela tabela Fipe é vendido por cerca de R$ 10 mil, como carro “só pra rodar”.

Os modelos mais novos são os chamados NP, que na gíria dos comerciantes significa o veículo Não Pago. Ou seja, carros financiados que não foram pagos pelos seus proprietários. Na maioria das vezes, financiamentos fraudulentos.

E o pessoal é bom de negócio, trocam os veículos por celulares, videogames, pneus, relógios, móveis. Chamam de feira do rolo. Tipo a Feira da Barganha aqui de Sorocaba. Só que a feira da barganha do mal.

E é nesse segmento da criminalidade que entram os anúncios dos carros furtados ou roubados. O anúncio não é direto, mas deixa claro as condições.

Para dar suporte aos negócios, existem prestadores de serviços, como o sujeito que transporta o veículo até a sua casa e outros que confeccionam as placas.

Vale lembrar que não é crime anunciar e vender carros com débitos, desde que haja concordância do comprador, que sabe que em algum momento pode ter o carro apreendido. Agora vender ou comprar modelos com fraudes no financiamento, roubados ou furtados é crime. Portanto, se você é do bem, fique longe disso.