Região:

min

max

Anuncie aqui

Conheça 5 personagens LGBTQIA+ do universo dos games

Listamos aqui 5 personagens LGBTQIA+ de jogos famosos que fazem parte da nossa história!

Por Marcos Bueno
(Atualizado em 28/06/2022 - 19h53)
Compartilhar

Neste dia 28 de junho, marcado para celebrar a luta e representatividade LGBTQIA+, o TEM GAMES traz um conteúdo especial, mostrando, mais uma vez, que o nosso universo gamer é um espaço voltado a todos, sem distinção nenhuma, ou seja, não importa quem você seja e, sim, o game que você entrega.

Claro que ainda existe um longo caminho para percorrer quando falamos sobre respeito neste meio. Vemos aí uma série de players distribuindo rages que, muitas vezes, são mais ofensivas por serem direcionadas e por atingirem a sexualidade, raça ou etnia de outros jogadores.

Por todo o contexto social que vivemos, dentro e fora dos games, não é de hoje que os grandes desenvolvedores de jogos do mercado apostam em inserir o assunto, buscando uma conscientização e inclusão, através de personagens que, além de representarem, e muito, a população LGBTQIA+, fazem parte do arco da história do game, sendo coadjuvante ou até o personagem principal.

Selecionamos cinco destes personagens para mostrar que existe lugar para todos nos games e o respeito deve estar em primeiro lugar sempre. Confira:

  1. Birdo | ‘Super Mario Bros 2’ (1988)

Ela é considerada a primeira personagem transexual no mundo dos jogos! A vilã magenta foi inserida pela primeira vez de uma forma, digamos, insensível, na qual sua descrição no manual do game dizia que o personagem era “um menino que pensa que é uma menina”. A dinossauro cuspidora de ovos que causavam danos no herói aparece em outros jogos da franquia, mas com poucas informações.

  1. Poison e Roxy | ‘Final Fight’ (1989)

Se você é da década de 90 como eu, com certeza já jogou “Final Fight” alguma vez na vida. O que talvez você não saiba é que as vilãs do game, Poison e Roxy, na verdade são mulheres trans. Uma curiosidade deste game é que, na versão americana, as personagens foram trocadas por homens e, na época, a distribuidora do jogo explicou que a substituição era para evitar uma representação de violência contra mulheres para as crianças.

 

  1. Alucard | ‘Castelvania’ (1989)

Sim, o filho do Conde Drácula, que teve a sua primeira aparição em 1989, em “Castlevania III: Dracula’s Curse”, é assumidamente bissexual. Apesar de não ser tratada nos games em que o personagem é inserido, a característica do herói foi explorada (ALERTA DE SPOILER!) na série inspirada no título, produzida pela Netflix.

 

  1. Kung Jin | ‘Mortal Kombat X’ (2015)

O “Mortal Kombat X” foi um dos jogos mais esperados e marcou uma verdadeira revolução da franquia, trazendo novas histórias, além de um formato de jogo mais intenso. Uma das novidade que chegaram no arco foi o Kung Jin, que, na narrativa do game, procura vingança pela morte de seu primo, Kung Lao.

Kung Jin de fato é homossexual. A informação é revelada em uma conversa com Raiden no modo histórico do jogo: “Inferioridade sempre foi uma infeliz parte do seu disfarce”, diz o Deus do Trovão ao vê-lo roubando um objeto. Depois da luta, Raiden tenta convencê-lo a se tornar um monge shaolin. “Eu não posso, eles não vão me aceitar”, diz Kung Jin. Raiden finaliza: “eles se importam apenas pelo que está no seu coração, não por quem seu coração deseja”. Esta última frase diz pouco, mas já revela muito sobre a característica do personagem, que se sente inseguro em assumir quem realmente é e como ele será recebido.

 

  1. Ellie | ‘The Last of Us’

Quando a franquia foi criada, em 2013, Ellie tinha 14 anos e não foi abordada a questão, talvez pelo personagem ainda ser secundário e não ter sua história desenvolvida. No decorrer do arco, mais especificamente na segunda parte do game, sua trajetória ganha mais espaço, tornando Ellie a protagonista do jogo. Um dos pontos mais interessantes é que sua sexualidade passa a fazer parte da construção de narrativa, o que faz total diferença, pois são seus relacionamentos que ajudam a ditar os caminhos traçados por ela.

Entrar tão fundo na sua personalidade com certeza dá uma experiência mais imersiva de jogabilidade, estratégia muito utilizada pela Naughty Dog, empresa responsável pelo jogo, que costuma explorar intensamente as camadas emocionais dos personagens e histórias de seus títulos.

Conhece mais personagens icônicos que deveriam estar aqui? Manda aí, fala com a gente nas redes sociais.