Região:

min

max

Anuncie aqui

Escritor Salman Rushdie recebeu até 15 golpes em ataque à faca em Nova York

Algumas testemunhas disseram aos policiais que viram um homem correndo no palco e agredindo Rushdie enquanto ele estava sendo apresentado pelo mestre de cerimônias

Por Estadão Conteúdo
(Atualizado em 12/08/2022 - 20h22)
Compartilhar

O escritor indiano naturalizado inglês Salman Rushdie, ameaçado de morte por extremistas seguidores do Aiatolá Khomeini desde os anos 1980, foi atacado e esfaqueado com 10 a 15 golpes nesta sexta-feira (12), minutos antes de dar uma palestra em Chautauqua, no estado de Nova York. Algumas testemunhas disseram aos policiais que viram um homem correndo no palco e agredindo Rushdie enquanto ele estava sendo apresentado pelo mestre de cerimônias.

Um repórter da agência Associated Press testemunhou o momento em que homem invadiu o palco da Chautauqua Institution e começar a agredir Rushdie enquanto ele estava sendo apresentado. O autor caiu no chão no mesmo instante e o homem foi controlado

Segundo a governadora de Nova York, Kathy Hochul, o escritor foi salvo por um policial local. De acordo com Hochul, “ele está vivo” e “sendo cuidado conforme necessário”. A governadora veio a público fazer uma declaração cerca de duas horas depois do ataque. “Foi um policial estatal que se levantou e salvou sua vida, o protegeu e ao moderador (da conferência)”, disse, antes de acrescentar que Rushdie tinha sido levado a um hospital local, que ela não nomeou.

Rushdie se tornou um inimigo público do Irã em 1988, quando sua obra Versos Satânicos foi proibida. Era o regime de Khomenei e suas palavras foram consideradas uma blasfêmia. Um ano depois, o aiatolá Ruhollah Khomeini emitiu uma fatwa pedindo a morte de Rushdie. O Irã também ofereceu também mais de US$ 3 milhões em recompensa para quem matar Rushdie.

Teerã assegurou em 1998 que a fatwa não seria aplicada. Mas o sucessor de Khomeini declarou em 2005 que Rushdie era um apóstata e que poderia ser morto impunemente. E o governo do conservador Mahmoud Ahmadinejad declarou em 2007 que a fatwa ainda era válida. (Com agências internacionais)