Região:

min

max

Anuncie aqui

Klara Castanho revela gravidez após estupro e entrega de bebê para adoção

Informação foi divulgada em uma carta aberta nas redes sociais, na noite deste sábado (25), após ser um dos assuntos mais comentados no Twitter

Por Redação
(Atualizado em 26/06/2022 - 14h59)
Compartilhar

A jovem atriz de 21 anos, Klara Castanho, revelou que engravidou após ser vítima de estupro e entregou o bebê para adoção. A informação foi divulgada em uma carta aberta nas redes sociais, na noite deste sábado (25), após ser um dos assuntos mais comentados no Twitter.

A história teve início após a apresentadora Antonia Fontenelle dizer em uma live que “uma atriz global de 21 anos teria engravidado e doado a criança para adoção”. “Ela não quis olhar para o rosto da criança”, afirmou a apresentadora.

Mesmo o nome da atriz não tenha sido citado, os internautas associaram a jovem ao caso mencionado pela apresentadora. Sem a confirmação, os internautas começaram a criticar Klara dizendo ser “falta de responsabilidade” da artista.

Antes da atriz se manifestar, Antonia publicou nas redes sociais um vídeo onde mostra o jornalista Léo Dias em entrevista ao Danilo Gentili afirmando ter “vivido um dilema” por causa história. Ainda assim ele fala breves relatos do assunto e diz que o “karma vai ser grande”.

Na publicação, Fontenelle classifica a história de “monstruosa” e disse que a doação de uma criança seria “abandono de incapaz” (veja acima).

 

Carta aberta

Em uma carta aberta publicada no Instagram, Klara relatou que foi estuprada e engravidou. A atriz diz que não queria tornar o assunto público, mas já que tinha sido exposta, resolveu se pronunciar.

A atriz conta que não fez boletim de ocorrência na ocasião por se sentir envergonhada e culpada. “Tive a ilusão de que se eu fingisse que isso não aconteceu, talvez eu esquecesse, superasse. Mas não foi o que aconteceu. As únicas coisas que eu tive forças para fazer foram: tomar pílula do dia seguinte e fazer alguns exames”, conta. “Somente a minha família sabia o que tinha acontecido.”

Segundo o relato, meses depois ela começou a se sentir mal e, em meio a exames, descobriu a gravidez já em estágio avançado. “Foi um choque, meu mundo caiu. Meu ciclo menstrual estava normal, meu corpo também. Eu não tinha ganhado peso nem barriga”, conta.

Durante uma consulta, Klara afirma que foi obrigada pelo médico a ouvir o coração da criança, o que considerou uma nova violação.

Também no relato ela diz ter sido abordada por uma enfermeira momentos após o parto, que ameaçou divulgar sua história. Logo em seguida, a atriz recebeu mensagens de um colunista. “Minha história se tornar pública não foi um desejo meu.”

Aborto legal

Pela lei brasileira, a atriz teria direito a fazer um aborto legal. No entanto, Klara afirma que tomou a decisão de fazer uma entrega direta para adoção.

A entrega voluntária para adoção está prevista no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e permite que a mãe entregue o filho para adoção em um procedimento assistido pela Justiça.

A criança nasceu poucos dias depois de a gravidez ser descoberta. A atriz afirma que entrou em contato com uma advogada e fez todos os trâmites legais.