Região:

min

max

Anuncie aqui

Manifestantes invadem residência presidencial no Sri Lanka; presidente foge

De acordo com uma fonte do ministério da Defesa, Gotabaya Rajapaksa está em um local secreto protegido pelo exército

Por Estadão Conteúdo
(Atualizado em 09/07/2022 - 10h54)
Compartilhar

Manifestantes invadiram neste sábado (9) a residência oficial do presidente do Sri Lanka, Gotabaya Rajapaksa, em Colombo. Segundo agências de notícias, eles pedem a renúncia do presidente em meio a crise econômica que o país enfrenta. Rajapaksa já não estava na residência oficial desde sexta (8), por motivos de segurança.

Os manifestantes arrombaram os portões em outros prédios do governo, como a secretaria presidencial e do Ministério das Finanças, mostraram imagens de TV. Militares e policiais tentaram impedir que os manifestantes entrassem nos edifícios, mas não conseguiram.

O primeiro-ministro Ranil Wickremesinghe convocou uma reunião de emergência dos líderes do partido para discutir a situação e chegar a uma resolução rápida. Ele pediu ao presidente para convocar o Parlamento, de acordo com um comunicado. Wickremesinghe também foi transferido para um local seguro.

A polícia do país havia imposta um toque de recolher em Colombo e em outras áreas urbanas da cidade na sexta-feira à noite, mas retirou neste no sábado em meio a objeções de advogados e políticos da oposição, que a chamaram de ilegal.

A embaixadora dos Estados Unidos no Sri Lanka, Julie Chung, pediu na sexta-feira que as pessoas protestassem pacificamente e que os militares e a polícia” dessem espaço para que eles pudessem se manifestar com segurança”. “O caos e a força não vão consertar a economia ou trazer a estabilidade política que os cingaleses precisam agora”, disse Chung em um tweet.

Crise – No mês passado, Wickremesinghe, afirmou que a economia do país entrou em colapso. Ele disse que as negociações com o Fundo Monetário Internacional (FMI) são complexas porque o país estaria falido.

Em abril, o Sri Lanka anunciou que estava suspendendo o pagamento de empréstimos estrangeiros devido a uma escassez dessas moedas. A dívida externa total do país é de US$ 51 bilhões, com previsão de crescimento de mais de US$ 28 bilhões até o final de 2027.